Joedson Alves/Estadão
Joedson Alves/Estadão

Teuto tenta reestruturar dívida para buscar sócio

Laboratório estaria em conversas com potenciais investidores, entre eles o fundo soberano de Cingapura e o brasileiro Principia Capital Partners

Fernando Scheller e Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

21 Fevereiro 2018 | 05h00

Sete meses depois de retomar o controle de 100% do laboratório Teuto, de Anápolis (GO), a família Melo está reestruturando suas pesadas dívidas e pretende voltar a buscar um sócio para o negócio, apurou o Estado com duas fontes a par do assunto. A farmacêutica, que tinha a gigante americana Pfizer como acionista, com 40% do negócio, está alongando entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões em dívidas, de um total de cerca de R$ 700 milhões em débitos com os bancos Bradesco, Itaú e Santander.

A expectativa da empresa, após essa reestruturação, é voltar a trabalhar para atrair um sócio para financiar os planos de expansão da companhia. Fundos de investimentos já estariam avaliando o laboratório, entre eles o fundo soberano de Cingapura, o GIC, e o brasileiro Principia, embora as negociações ainda não tenham entrado no estágio formal. O Estado apurou que o Principia veria a Teuto como uma forma de ampliar sua presença na área farmacêutica – o fundo já tem a Cellera entre os negócios de seu portfólio.

O objetivo, após a reestruturação de débitos, é garantir que a empresa como um todo seja avaliada em R$ 1,5 bilhão. Pessoas que conhecem o negócio de perto, porém, não acreditam que o laboratório possa ser vendido com base nesse valor, por causa de sua dependência dos genéricos – produtos de preço mais baixo – e de questões operacionais na fábrica. Hoje, o faturamento anual do Teuto é de cerca de R$ 770 milhões.

Histórico. Originalmente fundado em 1947 por um empresário alemão, o Teuto está sob o comando da família Melo desde 1986, quando foi comprado por apenas US$ 2 milhões.

Posteriormente, nos anos 2000, o empresário Walterci de Melo decidiu construir a maior fábrica de genéricos da América Latina. O investimento deixou a empresa em dificuldades, e o negócio passou por uma reestruturação antes de atrair a atenção da Pfizer.

A gigante americana anunciou, em outubro de 2010, o pagamento de R$ 400 milhões por uma fatia 40% da companhia, com opção de comprar os 60% restantes. No entanto, a múlti americana decidiu sair do negócio e colocou sua fatia à venda.

Entre 2016 e o início de 2017, quando a Pfizer buscava um comprador, a participação da gigante farmacêutica na Teuto chegou a atrair o interesse do fundo Advent e da Hypermarcas (agora Hypera Pharma), dona do laboratório Neo Química, mas as negociações não avançaram na época.

Ao Estado, o presidente executivo da companhia, Marcelo Leite, confirmou que a empresa está em processo de reestruturação de parte de suas dívidas com os bancos Bradesco, Itaú e Santander. Disse ainda que essas instituições vão estudar novos rumos para o negócio, mas não quis dar mais detalhes.

Procurados, Bradesco, Itaú e o fundo Principia não comentaram o assunto. O Santander e o GIC não retornaram os pedidos de entrevista.

Consolidação. Os laboratórios nacionais atraíram diversos grupos estrangeiros entre 2009 e 2010, que fizeram fortes apostas no segmento de genéricos. O setor viveu um movimento de consolidação no Brasil, mas parte desses grupos, como a própria a Pfizer e a francesa Sanofi (dona da Medley), decidiram rever suas estratégias globais e reduziram suas exposições neste segmento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.