Estadão

Bradesco vai privilegiar 'prata da casa' na escolha de presidente

Aline Bronzati - Broadcast

11 Outubro 2017 | 12h39

Anúncio de substituto pode acontecer antes do calendário de sucessão

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, afirmou nesta quarta-feira, 11, que "a instituição tem condições de escolher dentro do atual quadro de executivos quem será o novo presidente." 

O executivo ainda disse que o calendário de sucessão no comando do banco vai até março, quando ocorre a assembleia para eleição do Conselho de Administração da instituição, e que o anúncio de seu substituto pode ser feito antes desse prazo. Ele aproveitou para classificar a sucessão como um "processo", garantindo que o seu substituto ainda não foi escolhido.

"A Organização fez um trabalho forte de desenvolvimento de executivos nos últimos anos, com inserção internacional", afirmou.

Trabuco cumprirá o seu atual mandato de Presidente da Diretoria Executiva até 12 de março Foto: Clayton de Souza/Estadão

De acordo com Trabuco, a organização é complexa, grande e segmentada e essas características vão refletir na escolha do profissional que o sucederá. Lázaro de Mello Brandão, que permanecerá na presidência do Conselho de Administração das empresas controladoras do banco, lembrou que o nome do substituto de Trabuco tem de ser submetido ao Banco Central 30 dias antes de ser aprovado em assembleia de administração, que ocorrerá em março de 2018.

Dentre os cotados para assumir o comando do Bradesco, conforme relevou ontem o Estadão/Broadcast, um dos nomes mais aventados no mercado, segundo fontes, é o do vice-presidente de tecnologia do Banco, Mauricio Minas. Ele comandou toda a revolução tecnológica dentro da instituição, atuou na integração do HSBC e ainda no desenvolvimento do banco digital da instituição, o Next.

No entanto, a disputa pela presidência do Bradesco incluiria ainda os demais vice-presidentes da instituição: Alexandre Glüher, responsável pela área de Relações com Investidores e que foi crucial na integração do HSBC, maior aquisição da história do banco, e Josué Pancini, que comanda a rede de agências do banco e está há bastante tempo na cadeira de vice-presidente.

Há quem considere também os mais novatos no quarto andar da Cidade de Deus, Marcelo Noronha, que cuida de cartões e banco de investimentos, Octavio de Lazari, que responde por seguros, e André Cano, de Recursos Humanos. Os últimos, embora considerados na escolha do substituto do Trabuco, estão há menos tempo na cadeira de vice-presidente e, portanto, as chances seriam menores. Domingos Abreu, embora seja um forte nome no Banco estaria fora do páreo, após ser mencionado na Operação Zelotes.

Ontem, o Bradesco anunciou, em fato relevante ao mercado, a troca na presidência do seu Conselho de Administração, com a eleição de Trabuco, que seguirá acumulando também o comando do banco até março do ano que vem.

Veja os bancos que oferecem contas digitais e saiba quais são as tarifas

1 | 10 O crescimento de fintechs e de corretoras independentes fez surgir diversas opções de 100% contas digitais para atrair mais clientes. Se por um lado elas estão sumindo dos grandes bancos, surgem novas plataformas no mercado – mas nem sempre gratuitas. Confira as principais contas disponíveis e suas respectivas tarifas
2 | 10 Depois de dois anos de gestação, o Bradesco lançou o NextO banco 100% online é voltado para o público mais jovem, ligado ao mundo digital, e oferece todos os produtos Bradesco, como cartões e investimentos. Além disso, também dá ao correntista direitos a serviços como saques e transferências. As tarifas variam entre R$ 19,95 e R$ 39,95. Foto: Next
3 | 10 O Banco Original cobra R$ 9,90 por mês no primeiro ano por transferências, saques em caixas eletrônicos e extratos mensais. Os demais serviços são cobrados à parte, de acordo com tabelas divulgadas no site do banco; para cartões de crédito, há três pacotes: o Gold custa R$ 220 por mês; o Platinum, R$ 336 por mês; o Black cobra R$ 750 por mês. Foto: Banco Original/Divulgação
4 | 10 Banco controlado pela família fundadora da construtora MRV, o Intermedium oferece contas digitais gratuitas para o cliente pessoa física desde 2015. O correntista pode fazer pagamentos, depósitos, transferência ilimitada entre bancos e também tem direito a cartões de débito e crédito. A taxa de juros no rotativo é de 5% ao mês. A empresa promete lançar ainda este ano uma conta digital gratuita para a pessoa jurídica.  Foto: Intermedium
5 | 10 Voltado para quem quer fazer aplicações financeiras, o banco Sofisa Direto também não cobra por saques e transferências, além de oferecer cartão de débito. A empresa pretende lançar ainda este ano um cartão de crédito sem anuidade. Foto: Sofisa Direto
6 | 10 O Banco Neon oferece cartão de débito internacional gratuito e cobra a partir da segunda operação mensal em saques e transferências para outros bancos.  Foto: Neon
7 | 10 O Banco do Brasil, que havia encerrado sua conta digital em outubro do ano passado, relançou a modalidade um mês depois, a Conta Fácil BB, com o objetivo de concentrar esforços no segmento. O banco vetou, porém, a migração a clientes que já tenham conta na instituição. Foto: Fábio Motta/Estadão
8 | 10 Em maio, o Santander lançou a Superdigital, com tarifas que vão de R$ 7,90 para planos individuais a R$ 11,90 para planos com até dois cartões extras, sem custos adicionais. A conta também oferece cartão de débito internacional pré-pago. Foto: Epitácio Pessoa/Estadão
9 | 10 O Itaú oferecia uma conta digital gratuita até abril deste ano. O banco informou que “pesquisas internas apontaram a necessidade de simplificar sua prateleira de pacotes” e extinguiu a abertura da conta. Nada muda para quem já tinha aberto a conta. Foto: Itaú Unibanco
10 | 10 Em abril deste ano, o Bradesco encerrou a abertura de sua conta digital, a DigiConta. À época, a empresa justificou a medida o fim de uma conta exclusivamente eletrônica e sem tarifas em função de “novas frentes de soluções digitais que estão sendo desenvolvidas”. Em junho deste ano, lançou o Next. Porém, nada muda paraquem já tinha uma DigiConta. Foto: Marcio Fernandes/Estadão

Mais conteúdo sobre:
Ir para a versão web