AFP PHOTO / MANDEL NGAN
AFP PHOTO / MANDEL NGAN

Trump não pretende abrir exceção a nenhum país exportador, diz Casa Branca

Mesmo países aliados, como o Canadá, devem sofrer taxação para exportar aço e alumínio para os EUA

O Estado de S.Paulo

04 Março 2018 | 15h29

WASHINGTON E LONDRES - O conselheiro de comércio da Casa Branca, Peter Navarro, afirmou que o plano do presidente Donald Trump em relação às tarifas de aço e alumínio não considera isenções para países específicos.  "Neste momento em que estamos, não há exclusões de países", disse, em entrevista à CNN neste domingo, 4.

+++ Opinião: A perigosa doidice de Trump

+++ Número de barreiras a exportações brasileiras é o maior desde 2011

Aliados dos Estados Unidos, incluindo o Canadá, protestaram contra o movimento protecionista planejado, alegando que não deveriam ser incluídos. O Pentágono havia recomendado tarifas "direcionadas", de modo a não prejudicar os parceiros. Mas Navarro disse que Trump decidiu adotar tarifas de importação abrangentes, com o objetivo de impulsionar os fabricantes americanos.

+++ Trump ameaça taxar importação de automóveis da Europa

"Assim que você isenta um país, posteriormente você é obrigado a isentar outro país", afirmou. 

+++ País é menos afetado por barreiras de Trump porque vende mais commodities, diz Meirelles

O secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, afirmou à emissora ABC que o presidente deve fazer um pronunciamento oficial sobre as tarifas nos próximos dias. Ele também acredita que não haverá isenções. "Até onde sei, ele está falando sobre uma medida bastante ampla... Ainda não ouvi descrições sobre exceções específicas."

Ross descartou as consequências de possíveis retaliações. "Com certeza, pode haver algum tipo de retaliação, mas os montantes sobre os quais eles estão falando também são bem triviais." Ele relatou que a União Europeia ameaçou com tarifas em mais US$ 3 bilhões. 

Críticas. O número de correligionários republicanos e grupos empresariais que criticam a medida cresce a cada dia. Lindsey Graham, senador republicano da Carolina do Sul, considerado influente, disse que o presidente Donald Trump está cometendo um "grande erro" ao impor tarifas sobre aço e alumínio importados. Graham relatou que Trump está tornando a China "inatingível". "A China está ganhando e nós estamos perdendo com este regime tarifário."

Theresa May. Em conversa telefônica com Trump na tarde deste domingo, 4, a  primeira-ministra britânica, Theresa May, disse estar "profundamente preocupada" com o anúncio de taxação para metais como aço e alumínio. Para ela, uma ação multilateral seria "a única maneira de resolver o problema da sobrecapacidade global de todas as partes interessadas". A informação foi divulgada por meio de um comunicado à imprensa por Downing Street, o endereço oficial do governo do Reino Unido. / Associated Press e Celia Froufe. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.