1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Tudo para vender seu imóvel mais rápido

Leonardo Gorges,de O Estado de S. Paulo

26 Dezembro 2011 | 14h 25

Profissionais do mercado imobiliário paulistano dão dicas sobre o que é preciso fazer para facilitar a transação e assinar logo o contrato

SÃO PAULO - Vender um imóvel é algo que pode levar meses ou anos até que o ato se concretize. No caso de usados, em alguns casos, a forte concorrência e o preço elevado são as justificativas; em outros, no entanto, a falta de atenção do proprietário assume parte da culpa. De acordo com corretores e líderes de entidades do setor imobiliário, manter o imóvel sempre limpo, organizado e bem arejado é fundamental na hora da venda, principalmente se ainda tiver com moradores.

A consultora em biblioteconomia Maria Solimar de Jesus, de 53 anos, tem experiência no assunto. Ela já vendeu pelo menos cinco apartamentos e afirma que cuidado e conservação são essenciais. "Certa vez, queria vender um apartamento que estava um pouco desorganizado, ainda durante a reforma, e pude ver na feição da pessoa que ela não ficou satisfeita", conta.

Segundo Solimar, deixar a casa ou apartamento bem arrumado é importante para facilitar a venda. "Tem vezes em que na primeira visita a pessoa já sabe que é aquele lugar onde quer morar." A opinião é compartilhada pelo presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-SP), José Augusto Viana Neto: ele garante que a primeira impressão é fundamental.

"Na hora da visita, é preciso evitar qualquer tipo de distração, o interessado só deve prestar atenção ao ambiente. O primeiro contato com o imóvel tem de ser positivo", diz Viana. Ele acrescenta que, do contrário, é muito difícil que o comprador fique com o imóvel, mesmo que volte a visitá-lo.

Ou seja, o momento da visitação é crucial. Por isso, os especialistas afirmam que entulho de móveis, muitas roupas penduradas no varal e o acúmulo de louça na pia são fatores prejudiciais.

"O interessado gosta de ver o imóvel como ele imagina que seria para morar. Adereços muito pessoais ou excesso de mobília atrapalham", diz o diretor de locações da Associação Brasileira de Administradoras de Imóveis (Abadi), Carlos Samuel de Oliveira Freitas.

Outro ponto que não pode ser esquecido, e ajuda na comercialização, é a conservação. Um imóvel com infiltrações ou azulejos muito velhos e sujos afugenta possíveis compradores. As instalações elétricas e hidráulicas também merecem atenção especial. Estar com tudo em ordem é outra dica importante.

"Não pode haver relaxamento. O cuidado para manter uma boa aparência ajuda a revender mais facilmente", conta o presidente do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci), João Teodoro da Silva.

Manter os documentos em dia também garante segurança de compra. Possíveis diferenças entre a realidade da propriedade e o que está na escritura podem atravancar o negócio. Além disso, outra questão que ocorre com frequência são problemas com o registro de herança. "As pessoas, no geral, não prestam muita atenção nesses pequenos detalhes", diz Roseli Hernandes, da Imobiliária Lello.

Segundo ela, os vendedores costumam desprezar outro detalhe que ajuda na valorização: o cuidado com o entorno do imóvel. Evitar sujeira nas ruas e calçadas, por exemplo, pode a aumentar o valor de venda. A iniciativa pode ser feita por meio de associação de moradores do bairro.

O conselho vale especialmente para quem mora em áreas mais desvalorizadas. "Mesmo em áreas um poucos degradadas, há fila de espera para morar nas ruas mais bem cuidadas", afirma Roseli. Para moradores de prédio, vale também outros pequenos detalhes, como deixar o porteiro avisado para evitar desentendimentos.

Dessa maneira, sempre é bom ressaltar os pontos positivos do imóvel. Proximidade de áreas comerciais e do transporte coletivo podem ser o fator decisivo na hora de fechar o negócio. Ser sincero é, claro, importante.

"Não adianta tentar enganar o comprador. O jogo tem de ser limpo sempre", diz Roseli.