1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Vazamento na plataforma P-31 da Petrobrás paralisa produção

- Atualizado: 20 Janeiro 2016 | 16h 04

A empresa afirma que houve um vazamento de água oleosa na casa de bombas da plataforma, que opera na Bacia de Campos; o sindicato alega que uma linha de gás está furada

RIO - Um vazamento na plataforma P-31 da Petrobrás, que opera na Bacia de Campos, provoca a paralisação da produção na unidade desde o início da manhã de ontem, 19. O sindicato local e a estatal divergem sobre as causas do episódio. A operação da plataforma segue suspensa até que o problema seja solucionado.

A Petrobrás afirma, em nota, que houve um vazamento de água oleosa na casa de bombas da P-31, sem atingir o mar. "O sistema de detecção automático do local foi acionado e o vazamento, controlado. A produção da unidade marítima foi interrompida, conforme previsto em situações desta natureza", diz a companhia. Ainda segundo a estatal, não houve feridos nem danos materiais.

Na versão do Sindipetro-NF, que representa os petroleiros do Norte Fluminense, os alarmes foram acionados porque uma linha de gás que passa por dentro da casa de bombas está furada. Embora funcionários tenham drenado o trecho, houve vazamento de gás. Os petroleiros ainda reclamam que os sensores de gás da P-31 estão ultrapassados, trazendo risco à segurança operacional.

Segundo o sindicato, o alarme de presença de gás já havia sido acionado na P-31 em 11 de janeiro, mas a Petrobrás teria dado a mesma justificativa: de vazamento de água oleosa.

"O caso é considerado alarmante, já que o fato é similar ao ocorrido no ano passado no navio-plataforma FPSO Cidade de São Mateus", diz o Sindipetro-NF em nota. No acidente, ocorrido em 11 de fevereiro de 2015, uma explosão na casa de bombas matou nove pessoas e deixou outras 26 feridas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX