1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Venda da Transpetro é questionada

- Atualizado: 18 Janeiro 2016 | 07h 46

Representantes dos trabalhadores alegam que possibilidade não passou pelas ‘instâncias decisórias da companhia’ e pedem esclarecimentos

Anunciada na sexta-feira pelo diretor financeiro da Petrobrás, Ivan Monteiro, a possível venda da subsidiária de logística, Transpetro, não foi discutida ou aprovada pelo Conselho de Administração da estatal. O tema também não passou pelo colegiado da própria subsidiária. Representantes dos trabalhadores em ambos os colegiados divulgaram nota ontem, solicitando “imediatos esclarecimentos” sobre a negociação, classificada como uma “insubordinação em relação às instâncias decisórias da companhia”.

Em uma semana de derrocada das cotações internacionais do petróleo, fechando em média a US$ 29, e das ações da Petrobrás no mercado financeiro, que recuaram 21% nas primeiras semanas do ano, Monteiro anunciou na sexta-feira a análise inicial, feita por um banco, para a venda da subsidiária, responsável por uma frota de 54 embarcações e pela gestão de 49 terminais logísticos, além da rede de oleodutos.

A opção por intensificar a venda de ativos de infraestrutura, com valor de mercado sem relação com a cotação de óleo, foi um novo aceno aos investidores. Na terça-feira, a companhia já havia anunciado cortes de US$ 32 bilhões em investimentos, redução da meta de produção e revisão das premissas financeiras para os próximos três anos.

Em nota publicada em sua página, o conselheiro Deyvid Bacelar criticou a negociação da subsidiária e o anúncio feito antes de deliberação nos conselhos e comitês internos de análise de projetos. Bacelar ressaltou que a “pressa em divulgar medidas não discutidas no Conselho” demonstra “inabilidade da diretoria na análise da conjuntura política e econômica do País”.

“As vendas de quaisquer ativos da Petrobrás são discutidas internamente, contudo, essas decisões passam pelo Comitê Estratégico (Coest) e, depois, pelo Conselho de Administração (...) Reafirmo que a situação de venda de novos ativos não foi discutida nas reuniões do Conselho”, diz o comunicado. “A ‘publicização’ desses fatos apenas gera especulações, afeta o ambiente de mercado, bem como o clima da companhia, comprovando uma clara insubordinação da diretoria em relação às instâncias decisórias da companhia”, completa.

Campanha. Em campanha pela reeleição no colegiado da Petrobrás, Deyvid Bacelar comparou o plano de venda de US$ 14,4 bilhões em ativos como a BR Distribuidora, Braskem, Fábrica de Fertilizantes (Fafens) e a Transpetro, como um “desmonte” e “privatização” da empresa, indicando que as subsidiárias atuam em segmentos de grande rentabilidade.

O conselheiro lembrou que no Orçamento da União para 2016 os recursos destinados à Transpetro foram reduzidos em R$ 1 bilhão frente ao último ano. Também na BR Distribuidora, o orçamento destinado foi reservado “para fins de manutenção”.

Raildo Viana, representante dos trabalhadores no colegiado da Transpetro, se disse surpreendido com a “alarmante” notícia da venda da subsidiária “como todos os colegas trabalhadores”. “Estou pedindo maiores e imediatos esclarecimentos tanto à diretoria financeira da Transpetro como também ao próprio Conselho de Administração da companhia. Registro meu repúdio total a esta iniciativa”, reiterou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX