Venda de ações antes de vazamento evitou prejuízo de R$ 138 milhões aos Batista, diz PF

Segundo a Polícia Federal, prisão preventiva de Wesley Batista foi pedida com base em negócios irregulares com ações e com dólares

Altamiro Silva Júnior, Julia Affonso e Elizabeth Lopes, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 11h59

A venda de ações da JBS antes da delação dos controladores da empresa vazar na imprensa evitou prejuízo potencial de R$ 138 milhões aos irmãos Batista, segundo a Polícia Federal. Os delegados da PF Rodrigo Costa e Victor Hugo explicaram, em entrevista coletiva na qual explicaram os motivos da prisão preventiva de Wesley Batista, presidente da JBS, que contaram com a colaboração da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nas investigações. Segundo eles, foram identificados dois crimes distintos, mas ligados um ao outro: a compra e venda de ações e a compra e venda de contratos futuros de dólar. Ambos ocorreram antes do áudio da conversa de Joesley Batista, irmão de Wesley, com o presidente Michel Temer vazar e também antes da delação dos empresários vir a público.

Segundo os delegados, como os irmãos Batista detinham informações que outros acionistas não tinham, eles acabaram embolsando lucros com a operação, enquanto todos os demais acionistas tiveram que arcar com os prejuízos.

No caso da venda de ações antes da delação, o delegado Victor Hugo ressaltou que irmãos Batista detêm 100% da empresa FB Participações, que por sua vez detinha 42,5% da JBS S/A. "Eles tinham consciência de que, quando o acordo de delação viesse à tona, iria ter impacto no mercado, provocando desvalorização das ações da JBS", disse o delegado.

Assim, Joesley Batista determinou a venda, pela FB, de 42 milhões de ações da JBS, um negócio de R$ 372 milhões. Ao mesmo tempo, a própria JBS  passou a recomprar esses papéis. Ao fazer isso, segundo Victor Hugo, eles evitaram desvalorização maior das ações e diluíram o prejuízo com a queda dos papéis no momento que a delação fosse divulgada.

"A maior parte do prejuízo com a queda das ações não ficou com os irmãos Batista, mas com os outros acionistas", disse o delegado da PF. No dia seguinte ao vazamento da delação, os delegados ressaltaram que o dólar disparou 9%, a maior alta desde 1999, e ocorreu uma queda de 8,8% do índice Ibovespa, o maior recuo  desde 2008. No mesmo dia, os papéis da JBS chegaram a cair 37%. "A venda antecipada de ações evitou um prejuízo potencial de R$ 138 milhões", disse Victor Hugo.

"O que impressiona a todos é que esses crimes são gravíssimos", disse o delegado, ressaltando que os delitos foram praticados pelos dois empresários, que já haviam se comprometido com a Justiça a colaborar e não cometer crimes.

Os delegados explicaram que os crimes dos irmãos Batista foram comprovados por mensagens eletrônicas, depoimentos, relatórios da CVM e laudo pericial. "Os investigados lucraram milhões de reais com essas operações ilícitas." As vítimas, disse Victor Hugo, não são apenas os demais acionistas da JBS, mas o Brasil e o próprio mercado financeiro, que tem a confiança abalada. (Altamiro Silva Junior, Julia Affonso e Elizabeth Lopes)

Mais conteúdo sobre:
Wesley Batista Joesley Batista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.