1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Vendas de veículos em março terão queda de 25% a 30%, calcula Anfavea

- Atualizado: 28 Março 2016 | 10h 37

Se confirmado, resultado em relação a março do ano passado será pior do que o esperado

Anfavea projeta queda de 7,5% nas vendas em 2016 e crescimento de 0,5% na produção

Anfavea projeta queda de 7,5% nas vendas em 2016 e crescimento de 0,5% na produção

SÃO PAULO - O mês de março deve terminar com uma queda de 25% a 30% na venda de veículos novos em relação a igual período do ano passado, estimou o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan. "Com o agravamento da crise política, tivemos um resultado pior do que esperávamos", explicou o executivo, em palestra de abertura da sétima edição do Fórum da Indústria Automobilística, em São Paulo.

O presidente da Anfavea ponderou que, na comparação com fevereiro, contudo, o desempenho do mercado é de alta de 20% a 25%, em razão do número menor de dias no mês anterior. Na média diária, o ritmo ficou estável. Faltando quatro dias úteis para terminar março, Moan projeta que a venda de veículos novos deve ficar entre 165 mil e 175 mil unidades.

Apesar do resultado pior que o esperado em março, Moan disse que mantém as previsões da Anfavea para 2016, de queda de 7,5% na venda e de crescimento de 0,5% na produção. "O resultado de um único mês é insuficiente para fazer uma revisão", afirmou. "E eu continuo acreditando em um início de recuperação no último trimestre deste ano", complementou. No primeiro bimestre, as vendas acumulam queda de 31,31% ante igual período do ano anterior.

Segundo Moan, os resultados mais fracos em 2016 têm resultado em uma maior ociosidade das montadoras. Ele estima que o nível de utilização da capacidade produtiva de todo o setor, nos primeiros meses do ano, ficou em 46%, contra 52% no ano passado. Para o segmento de caminhões e ônibus, o cenário é ainda pior, com uma nível de utilização de 18%. Neste caso, Moan não detalhou o patamar do ano passado.

O presidente da Anfavea tem apenas mais um mês à frente do cargo. Ele será substituído por Antonio Megale, executivo da Volkswagen que assumirá o posto no próximo dia 25 de abril. "Quando eu assumi (em abril de 2013), eu sabia que teria uma gestão de crise, já que o setor é cíclico e nós já tínhamos passado pelo nosso ciclo (de alta) nos últimos sete anos. Porém, eu não imaginava que teríamos uma crise tão profunda", afirmou. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX