1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Vendas do varejo caem pelo 10º mês seguido

- Atualizado: 23 Março 2016 | 14h 39

Setor registrou queda real (descontada a inflação) de 6% nas vendas em fevereiro, puxado pela retração dos itens semiduráveis, como vestuário e calçados, segundo o IDV

As vendas no varejo brasileiro apresentaram queda real de 6% em fevereiro deste ano na comparação com o mesmo mês de 2015, segundo levantamento do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV). Este é o décimo primeiro mês consecutivo de recuo nas vendas na comparação anual, de acordo com os dados do IDV.

Em nota, o IDV considerou que o declínio ocorreu mesmo diante de um efeito de calendário que poderia ser positivo para as vendas, já que fevereiro de 2016 teve um dia a mais do que o mesmo mês do ano anterior. "O resultado negativo é motivado pela continuidade da deterioração dos pilares macroeconômicos que direcionam o consumo, como a queda do nível de emprego e renda, o encarecimento do crédito, o aumento da inflação e a redução do índice de confiança", diz a entidade, que representa alguns dos maiores grupos varejistas do País.

O IDV levantou ainda as expectativas dos varejistas para as vendas dos próximos meses. Os dados do Índice Antecedente de Vendas indicam uma continuidade da retração.

A expectativa dos associados é de queda real de 4,6% nas vendas em março. Para abril, a projeção é de retração de 2,4% e, em maio, o setor espera queda de 1,24%.

A retração em fevereiro foi puxada pela queda nas vendas de semiduráveis, que incluem vestuário e calçados. Houve recuo de 10,1% nas vendas desse segmento na comparação com fevereiro de 2015. Para os próximos meses, os varejistas desse setor esperam continuidade da queda, com diminuição de 1,5% nas vendas em março e de 0,1% em abril. Para maio, a expectativa é de alta de 0,4%.

Já o setor de bens duráveis, segundo o IDV, retraiu-se 4,7% em fevereiro. A projeção para os próximos meses é de queda de 2,1% em março, de 2% em abril e de 2,4% em maio.

As vendas de não duráveis, que incluem o setor de supermercados, recuaram 5,2% em fevereiro. As projeções são de quedas de 6,7%, de 4,2% e de 1,1% em março, abril e maio, respectivamente.

O IDV representa 70 empresas varejistas de diferentes setores. Entre os associados estão grandes redes como Carrefour, Grupo Pão de Açúcar (GPA), Hering, Magazine Luiza, Renner e Riachuelo. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX