Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Volkswagen se junta a GM e Fiat e admite que tem excedido limites de acordo com Argentina

Executivo, no entanto, minimizou a questão, alegando que o excesso já estava no planejamento da empresa

André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2018 | 20h15

A Volkswagen admitiu nesta quinta-feira, 22, que é um das montadoras que têm excedido os limites do acordo comercial entre Brasil e Argentina para veículos e autopeças. O documento diz que, para cada US$ 1 que os argentinos exportam para o mercado brasileiro, o caminho inverso tem de ser de até US$ 1,5. Esta relação é chamada pelos dois governos de "flex".

Como a demanda de consumidores brasileiros enfrentou uma forte queda durante a crise econômica, a necessidade de importar carros argentinos também despencou. Por outro lado, as vendas no país vizinho têm crescido nos últimos anos, o que tem estimulado as exportações brasileiras para lá. Tal desequilíbrio tem levado o "flex" de todo o setor a atingir algo um pouco acima de US$ 2.

Com a balança desfavorável para a Argentina, o presidente Mauricio Macri reagiu exigindo que as filiais argentinas das montadoras responsáveis por esse excesso depositassem uma garantia, que corresponde a uma antecipação da multa que terá de ser paga quando o acordo expirar, em junho de 2020. Se o desequilíbrio permanecer depois do fim do acordo, a garantia é executada.

A "confissão" da Volkswagen foi feita pelo presidente da montadora para a região da América do Sul, América Central e Caribe, Pablo Di Si, antes de participar de evento de lançamento da nova versão da picape Amarok, em São Paulo. O executivo, no entanto, minimizou a questão, alegando que o excesso já estava no planejamento da empresa e que, antes do fim do acordo, o equilíbrio comercial entre os dois países será retomado, com o "flex" sendo respeitado.

++ Processo de eletrificação dos automóveis pode matar empresas, diz presidente da PSA

Di Si explicou que, no caso da Volkswagen, o excesso é causado pelo segmento de caminhões. Segundo ele, a montadora consegue realizar uma troca equilibrada entre os dois países no comércio de veículos leves, uma vez que tanto a fábrica da Argentina quanto as fábricas do Brasil têm produção nesse segmento. O problema está nos caminhões, já que só o Brasil produz e exporta caminhões.

O executivo não quis informar qual é o tamanho do excesso da Volkswagen nem qual é o valor cobrado pelo governo argentino como garantia, mas disse que a empresa não está entre os piores casos. "Se olharmos o filme como um todo, têm montadoras que estão muito acima", afirmou Di Si, sem revelar os nomes das empresas.

A garantia cobrada pelo governo argentino é referente ao período que vai de julho de 2015, quando teve início a última renovação do acordo, até junho de 2017, quando esta renovação completou dois anos. Nesse período, o "flex" ficou em US$ 1,8. Em julho de 2017, a Argentina publicou resolução na qual avisou que vai cobrar as garantias das empresas. Mesmo assim, desde então, o "flex" continua acima do limite de US$ 1,5, chegando a mais de US$ 2.

++ GM investirá R$ 1,2 bilhão para ampliar fábrica no ABC Paulista

O presidente da Volkswagen disse também que pretende reequilibrar esta proporção a partir de um aumento das importações de carros produzidos na Argentina, em vez de reduzir as exportações brasileiras para lá. "Será uma situação de ganha-ganha", afirmou, explicando que essa estratégia será beneficiada pelo crescimento do mercado brasileiro, que vai demandar mais carros argentinos.

Além da Volkswagen, a GM e a Fiat também admitiram que estão excedendo o flex. A GM informou que está apenas "um pouco acima" do limite e disse que, por isso, a garantia cobrada pela Argentina é irrisória, de US$ 25 mil. A Fiat afirmou que vai reequilibrar o comércio entre os dois países por meio da importação de um novo modelo que será produzido na Argentina, o Cronos.  Quatro montadoras disseram que não estão superando o "flex": Ford, Honda, Toyota e Scania. As demais empresas não deram uma resposta. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.