1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Volvo não fará novos investimentos no Brasil em 2016

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 16h 06

Sem perspectiva de melhora para 2016, a montadora sueca de caminhões e ônibus sinalizou que deve realizar novos cortes na sua produção

Volvo prevê mercado de caminhões de 35 mil unidades em 2016

Volvo prevê mercado de caminhões de 35 mil unidades em 2016

SÃO PAULO - Com o aprofundamento da crise econômica no Brasil e a forte queda nas vendas de veículos, a Volvo não pretende anunciar nenhum novo investimento no País em 2016, afirmou nesta terça-feira, 16, o presidente interino da montadora sueca na América Latina, Carlos Morassutti. "Apenas vamos manter o que já vem sendo feito, estamos olhando para esse ano no sentido da manutenção", disse.

Na avaliação do executivo, a decisão de não investir reflete uma mudança no cenário econômico, que tem afetado os segmentos de caminhões e ônibus, nos quais a Volvo atua com maior ênfase no Brasil. "Há cinco anos, nós esperávamos que o mercado como um todo de caminhões pesados e semipesados tivesse em 2016 um volume de 100 mil unidades vendidas. Agora nós estamos prevendo um mercado de 35 mil unidades. Temos de nos adaptar a essa nova realidade", disse.

Sem uma perspectiva de melhora para 2016, a Volvo sinaliza que deve realizar novos cortes na sua produção. "Fizemos ajustes para atender em 2015 a um mercado de 70 mil unidades. Como estamos esperando uma redução para cerca de 40 mil em 2016, é claro que temos um excesso de trabalhadores", afirmou Morassutti.

Ele disse ainda que a empresa fez um acordo com o sindicato dos trabalhadores que garante estabilidade de emprego até março deste ano. "Em março vamos reavaliar o cenário e discutir com o sindicato as possibilidades, como lay-off (suspensão temporária dos contratos), férias coletivas, uso de bancos de horas ou o PPE (Programa de Proteção ao Emprego, do governo federal", declarou. Segundo Morassutti, a fábrica da Volvo em Curitiba tem hoje um excesso de 15% a 20% de sua mão de obra, de aproximadamente 3,4 mil trabalhadores. 

A Volvo volta a paralisar toda a sua produção de caminhões na semana que vem, com retorno marcado para o dia 7 de março. A empresa espera uma nova queda na venda de caminhões pesados e semipesados em 2016, em torno de 15%, para cerca de 35 mil unidades. A Volvo conta com duas fábricas no Brasil, uma em Curitiba, no Paraná, e outra em Pederneiras, em São Paulo. Ao todo, emprega cerca de 4 mil trabalhadores.

Resultados em 2015. A Volvo registrou, nos segmentos de caminhões pesados e semipesados, um total de 6.722 unidades vendidas em 2015, queda de 64% em relação às 18.832 unidades comercializadas em 2014. No segmento de ônibus, a montadora sueca teve baixa de 48%, ao vender 864 unidades, contra 1.748 unidades no ano anterior.

"Não fizemos dinheiro no Brasil em 2015", resumiu o presidente interino da Volvo na América Latina, Carlos Morassutti. "E 2016 deverá ser outro ano desafiador", disse. Segundo ele, o Brasil é o segundo maior mercado da Volvo no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Morassutti disse ainda que a montadora sueca tem "feito dinheiro" em outros países da América do Sul, citando o Peru, a Colômbia, o Chile e a Argentina. "E temos vistos bons sinais de recuperação na Argentina", afirmou o executivo, em referência à gestão do novo presidente argentino, Mauricio Macri, que assumiu o cargo em dezembro do ano passado. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX