André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

'Votou Orçamento é como sinal do recreio', diz deputado sobre Congresso vazio

Fala do deputado Danilo Forte (DEM-CE) aponta a debandada de deputados para seus Estados em um dia no qual o relator da reforma da Previdência, Arthur Maia, tenta realizar a leitura do parecer da proposta na Câmara

Victor Gomes, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2017 | 11h50

BRASÍLIA - O deputado Danilo Forte (DEM-CE) disse nesta quinta-feira, 14, que deputados e senadores consideram a votação do Orçamento como o último compromisso do ano legislativo e sinal de que os parlamentares estão livres para as férias.

+ ANÁLISE: Governo já dava sinais de que adiaria a votação da Previdência

“Já tem muita gente em ritmo de férias. Esse relaxamento é natural. Historicamente, votou o orçamento é recesso”, afirmou o deputado, que já foi vice-líder do governo. “É igual sineta da escola, tocou é recreio. Votou o orçamento vai todo mundo embora para seus Estados. Precisamos reencontrar o sentimento da base nos Estados”, afirmou.

Para o deputado, a fala do líder do governo no Congresso, Romero Jucá, de que a Previdência seria votada apenas em fevereiro de 2018 foi uma “ducha de água fria” na tramitação da proposta. “Essa dubiedade de comando prejudica. Ninguém pode servir a dois senhores. Essa postura atabalhoada das liderança do Senado desestimula a Câmara a votar um tema tão polêmico” afirmou.

“Nesse momento, não estou aqui para enganar ninguém. Foi [a reforma] foi postergada para fevereiro do ano que vem em função desse batimento de cabeça entre as lideranças do Senado”, disse. O deputado disse que o “conjunto da obra” da fala de Jucá mais o votação do orçamento deve esvaziar o Congresso nos próximos dias.

++Pacote do Congresso dá alívio de R$ 51 bi a Estados em ano eleitoral

Hoje está prevista a leitura do relatório da reforma da Previdência pelo deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). A leitura deve ser para um plenário vazio em função da antecipação do recesso parlamentar, previsto oficialmente para começar no dia 21 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.