1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

WhatsApp diz que deixará de cobrar taxa de assinatura

- Atualizado: 18 Janeiro 2016 | 11h 11

Empresa esclareceu que, mesmo com a retirada das taxas, não pretende inserir anúncios no aplicativo

WhatsApp cobrava uma taxa após o primeiro ano de utilização

WhatsApp cobrava uma taxa após o primeiro ano de utilização

O aplicativo de mensagens WhatsApp, da empresa norte-americana Facebook, informou em publicação no blog da companhia que deixará de aplicar a taxa de assinatura cobrada após um ano do uso do serviço.

"Estamos felizes de anunciar que o WhatsApp não irá mais cobrar taxa de assinatura", disse a empresa.

Por anos, o WhatsApp pedia que seus usuários pagassem uma taxa de uso do serviço após o primeiro ano de utilização.

"Conforme crescemos, descobrimos que essa abordagem não funcionou bem. Muitos usuários do WhatsApp não têm cartão de débito ou crédito e ficavam preocupados em perder acesso a seus amigos e família após seu primeiro ano", disse a empresa.

"Então, nas próximas semanas, iremos remover as taxas das diferentes versões do aplicativo, e o WhatsApp não mais irá cobrar pelo serviço", completou.

A empresa esclareceu que, mesmo com a retirada das taxas, não pretende introduzir anúncios no aplicativo. No entanto, disse que a partir deste ano, testará ferramentas que permitirão aos usuários utilizar o WhatsApp para se comunicar com empresas e organizações que desejarem.

"Isso pode significar se comunicar com seu banco sobre se uma transação recente foi fraudulenta, ou com uma companhia aérea sobre um voo atrasado", disse a companhia, sem dar mais detalhes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX