Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Acionistas da Vale aprovam conversão de ações ordinárias em assembleia

Alteração era o último obstáculo para a migração para o Novo Mercado, mais alto segmento da B3 em termos de governança corporativa

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2017 | 19h29

RIO DE JANEIRO - A Vale conseguiu aprovar a conversão de suas ações preferencias classe A (PNA) remanescentes em ordinárias (ON), último obstáculo para a companhia dar início ao processo de adesão ao Novo Mercado, nas palavras do presidente da mineradora, Fabio Schvartsman. A operação foi aprovada por 51,48% das ações representadas na assembleia especial em que votaram apenas os detentores dessa classe de ações, realizada nesta quarta-feira, 18.

Mais cedo, em assembleia geral extraordinária (AGE), a conversão mandatória havia passado pelo crivo dos demais acionistas. A relação de troca será de 0,9342 ação ordinária por cada preferencial, a mesma adotada na conversão voluntária realizada em agosto. Depois da operação, restaram 307.140.096 ações PNA em circulação.

Apesar da preocupação pelo fato da base acionária de preferenciais ser dispersa, a Vale conseguiu atingir o quórum qualificado exigido pela Lei das S.A. para esse tipo de assembleia, de mais da metade das ações. A companhia conseguiu uma presença de 52% dos papéis ou 3,04% do capital. Foram computados 158.111.060 votos a favor da conversão e 25.144 contrários. Houve um total expressivo de abstenções na matéria: 667.328 votos.

++ Apenas 17% das estatais listadas na B3 estão em segmentos de governança mais elevados

Mais cedo, na AGE, o presidente da Vale havia afirmado que a aprovação na assembleia especial seria o último obstáculo para a migração para o Novo Mercado, mais alto segmento da B3 em termos de governança corporativa. Segundo o executivo, confirmada a aprovação, seriam iniciados imediatamente os procedimentos para a listagem.

Retirada. Os acionistas titulares de ações preferenciais que não concordarem com a conversão terão o direito de retirada (ou recesso) da companhia, pelo valor patrimonial da ação, definido em R$ 24,26. Como o valor é inferior à atual cotação da preferencial classe A, as chances de uma demanda significativa pelo recesso se reduz. Os acionistas dissidentes também terão que comprovar a titularidade ininterrupta das PNAs desde o encerramento do pregão de 18 de agosto até a data do exercício do direito.

++ Petrobrás adere a novo modelo de governança por crédito mais barato

Ações adquiridas (ou alugadas) a partir de 21 de agosto não darão direito de retirada, que poderá ser efetivado em trinta dias contados da data de publicação da ata da assembleia especial de preferencialistas que aprovar a conversão para ON.

Conselho. A companhia terá pela primeira vez dois membros independentes em seu conselho de administração. Também em assembleia geral extraordinária (AGE) realizada nesta quarta-feira, foram eleitas as especialistas em governança corporativa Sandra Guerra e Isabella Saboya, ambas indicadas pela gestora britânica de recursos Aberdeen. As duas tomam posse no dia 26 de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.