Pixabay/Reprodução
Pixabay/Reprodução

Aumento da demanda impulsiona mercado e salários na área de compliance

De acordo com uma pesquisa da consultoria Michael Page, executivo da área pode ganhar de R$ 16 mil a R$ 37 mil por mês

O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2017 | 05h00

Com o aumento da procura por profissionais capacitados na área de compliance, os salários para quem atua na área também vivem um momento de ascensão, indicam especialistas da área.

Na avaliação do gerente sênior da Michael Page, Felipe Avena, isso acontece, principalmente, pela escassez de profissionais com formação sólida. “É natural que os salários subam, pois às vezes pode ser difícil encontrar a pessoa ideal no mercado, ainda mais porque é um setor que ainda passa por desenvolvimento”, diz.

Nos últimos anos, Avena têm observado profissionais e empresas que buscam reverter essa situação. De um lado, companhias procuram cursos para capacitar suas equipes, enquanto aqueles que desejam melhores colocações no mercado de trabalho matriculam-se em cursos diversos para aproveitar o bom momento.

De acordo com uma pesquisa da consultoria Michael Page, um gerente de compliance no Brasil pode ganhar a partir de R$ 16 mil por mês, dependendo do tamanho da empresa e nível de responsabilidade. No entanto, um gerente sênior chega a ter salário a partir de R$ 25 mil. O valor é semelhante ao visto para níveis hierárquicos mais altos na função de gerente de investigações e prevenção a fraudes de grandes companhias. Já um diretor de auditoria interna pode chegar a receber uma média de R$ 37 mil.

++ Instituto oferece cursos e certificação de combate à corrupção

“Isso varia até mesmo de acordo com as regiões do País. Dependendo de onde a empresa está instalada, do tamanho da cidade, fica mais difícil conseguir o profissional adequado. Assim, mais uma vez, vemos o salário ofertado subir”, explica Avena.

Para o gerente sênior da empresa de recrutamento Robert Half, Alexandre Attauah, o cenário deve permanecer assim pelos próximos anos. “A área de governança está ganhando cada vez mais relevância nas empresas. Primeiro foram as multinacionais, agora são as de pequeno e médio porte. Adequar-se é uma necessidade, então é natural que os profissionais atuantes sejam valorizados com bons salários”, diz.

Ele não acredita que as remunerações pagas hoje estejam fora do padrão e são apenas reflexo do momento vivido dentro das empresas. “Para o longo prazo é provável que haja até mais equilíbrio de salário, conforme o mercado recebe mais profissionais preparados. Então, quem deseja aproveitar essa onda de boa remuneração deve fazer isso agora.”

Mais conteúdo sobre:
Governança Corporativa Salário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.