1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Bolsa tenta fazer decolar índice de sustentabilidade

- Atualizado: 01 Março 2016 | 18h 03

Criado há uma década, ISE ainda busca ter relevância no mercado financeiro e faz cruzada por mais transparência

Retração da economia esfriou o interesse dos investidores por sustentabilidade

Retração da economia esfriou o interesse dos investidores por sustentabilidade

A BM&FBovespa anuncia amanhã os novos objetivos do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), em uma tentativa de torná-lo mais relevante no mercado financeiro. Divididas em três esferas (empresas, investidores e sociedade), as metas valerão para os próximos cinco anos. Elas buscam atrair companhias para a listagem (que é facultativa) e fazer com que empresas financeiras apostem em produtos relacionados ao índice, como fundos, por exemplo.

Outro ponto discutido pelo conselho que elabora as regras do ISE é a transparência. Entre março e abril, a Bolsa consultará o mercado sobre tornar obrigatória a divulgação das respostas das companhias ao questionário para integrar a listagem. “Esse caminho (a abertura das respostas) tomou a lógica de regra”, afirma Sonia Favaretto, presidente do Conselho Deliberativo do ISE.

Hoje, apenas 2 das 35 empresas listadas não divulgam respostas: a Cesp e a TIM. A empresa de telecomunicações diz que não abre as informações por questões estratégicas. A Cesp não se posicionou.

Coordenadora de responsabilidade social do Insper, Priscila Claro é a favor da divulgação e afirma que, com o tempo, haverá uma “seleção natural” no mercado: “Se a obrigatoriedade afastar companhias que não querem abrir informações, talvez elas não devam fazer parte do ISE.” 

Adesão. Desde 2005, quando foi criado, o índice vinha ganhando cada vez mais participantes até atingir o pico de 40 empresas em 2014 e 2015. O fato de o número ter caído em 2016 não é visto como um retrocesso pela Bolsa. “Às vezes, empresas optam por outros investimentos”, explica Sonia, que não comenta casos específicos.

Este ano, Gerdau e Vale foram duas das companhias que deixaram a listagem. A metalúrgica é investigada na Operação Zelotes, da Polícia Federal, que apura corrupção em um órgão do Ministério da Fazenda. A mineradora é acionista da Samarco, responsável por uma das maiores tragédias ambientais do País.

Outro motivo para a adesão menor é o cenário econômico. Ex-presidente da BB DTVM, a maior gestora de recursos brasileira, Carlos Massaru Takahashi afirma que a incerteza tira o foco da sustentabilidade: “O investidor precisa ser mais exigente”, defende o executivo, que faz parte de um grupo de trabalho sobre o tema na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Segundo os dados da associação, atualmente há cerca de R$ 640 milhões investidos em fundos relacionados à governança e sustentabilidade, o que representa 0,02% do total de recursos que essa indústria movimenta no País.

Investimentos. Se o índice de sustentabilidade da Bolsa precisa de mais atenção da parte dos grandes investidores, mais ainda da pessoa física. 

Analista da corretora Rico, Leandro Martins explica que o interesse pelo assunto esfriou desde a crise de 2008 e, no caso do Brasil, ganhou espaço a renda fixa. “Há oito anos, a Bolsa está ruim e ainda é um investimento especulativo.” Ele, que lida com esse público há oito meses, afirma: “Nunca recebi uma pergunta sobre governança ou sustentabilidade.”

Por outro lado, empresas do ISE foram mais resistentes às turbulências econômicas. Entre 2005 e 2015, seu ganho acumulado foi de 100%, ante pouco mais de 25% do Ibovespa, o principal índice de ações do mercado brasileiro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX