1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cultura dificulta avanço da gestão de riscos no Brasil

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 19h 30

Segundo especialistas, conceito de empresários sobre o tema atrapalha a preparação para situações extremas

A maneira como empresários entendem gestão de riscos e a cultura das companhias são fatores que dificultam avanços quando o assunto é prevenir situações que podem comprometer os negócios. “As empresas no Brasil acreditam que o desastre não vai acontecer. Assim, elas não se preparam”, diz o diretor da Marsh Risk Consulting na América Latina, Roberto Zegarra, que afirma que o conceito é relativamente novo no meio empresarial.

Segundo Zegarra, a definição do empresariado brasileiro para crise está mais atrelada a questões recorrentes e inerentes ao negócio (problemas no fluxo de caixa, por exemplo) do que a eventos que podem matar a companhia (ele cita o caso da mineradora Samarco como exemplo). Segundo o executivo, é nesse último aspecto que a prevenção falha: “A verdadeira crise deixa mortos e feridos e coloca a reputação das empresas em xeque”.

 

Empresas de capital aberto são mais avançadas

Empresas de capital aberto são mais avançadas

A falta de profissionais qualificados para lidar com esses riscos também trava a evolução desses processos, diz o sócio da consultoria PwC, Jorge Manoel. Ele também considera o bom uso da tecnologia uma questão fundamental para melhorias em gestão de riscos: “A qualidade começa nos recursos humanos. A partir da boa formação, certamente haverá outros bons recursos”, avalia.

Uma pesquisa da Marsh coloca o Brasil atrás de outros países da América Latina nesse aspecto. Enquanto menos da metade das empresas brasileiras consultadas (45%) diz ter uma política de gestão de riscos definida, esse porcentual é de 94% no Equador, 70% na Colômbia e 67% no Peru - os três países considerados mais adiantados. A média ficou em 66%. Participaram do levantamento 369 empresas de 15 países da região.

Entretanto, não há um consenso sobre essa avaliação. Coordenador do MBA em gestão de riscos e compliance da Fecap, Fábio Coimbra defende: “É preciso levar em conta o quanto os conceitos de gestão de riscos estão claros. Apetite a risco, por exemplo, é uma ideia controversa mesmo entre diretores e conselheiros de empresas”, pondera. 

O Brasil tem exportado conhecimento e mão de obra em gestão de riscos, diz o sócio da consultoria Deloitte, Ronaldo Fragoso, que também discorda da conclusão da pesquisa. “Nós enviamos profissionais daqui para outros países para ajudar as empresas a implementar esses sistemas”. Ele reconhece, porém, que as companhias no País ainda precisam evoluir nesse aspecto: “Muitas vezes, as empresas não conseguem analisar o cenário como um todo.” 

Diferenças. Como risco é um conceito que muda de acordo com cada tipo de negócio, não é possível fazer uma avaliação homogênea sobre o quanto as companhias avançaram. “A maior dificuldade é dimensionar esses riscos”, diz Fragoso. 

Também há discrepâncias entre empresas que têm ações em bolsa de valores ou não. Sobre as primeiras, as exigências e a fiscalização são mais pesadas.

Um exemplo é a Instrução nº 552 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que determina que, a partir deste mês, empresas de capital aberto utilizem um novo padrão para divulgar informações ao mercado, com detalhes mais específicos sobre gestão de riscos. “Esse é um passo importante para mais transparência”, diz Coimbra.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX