Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Monitoramento de estatais no programa de governança será periódico, diz Bolsa

Segundo a diretora de Regulação de Emissores da BM&FBovespa, monitoramento das empresas que aderirem ao Programa Destaque em Governança de Estatais será feito ao menos uma vez por ano

Fernanda Guimarães, O Estado de S. Paulo

30 Setembro 2015 | 17h40

SÃO PAULO - O monitoramento das companhias estatais que aderirem ao Programa Destaque em Governança de Estatais será feito pela BM&FBovespa de forma periódica, de ao menos um vez ao ano, explicou a diretora de Regulação de Emissores da Bolsa, Flavia Mouta. De acordo com ela, no entanto, a companhia poderá receber ainda uma análise eventual dos itens cobrados no programa.

Flavia lembra que esse monitoramento poderá ocasionar a elevação da empresa da categoria 2 do programa para 1, ou até mesmo o inverso, com um rebaixamento ou retirada da certificação.

A diretora da Bolsa destacou que, após o período de audiência pública, houve uma preocupação em manter o equilíbrio. "Não se poderia transmitir a mensagem de que o programa era um check list e de outro lado não pretendemos fazer diligências nas companhias, não é uma auditoria dentro das companhias. Acho que conseguimos acomodar bem essa situação", disse.

Da mesma forma em que a adesão é voluntária, a companhia poderá ainda decidir sair do programa, no entanto, segundo a diretora da Bolsa, caso seja essa a decisão será realizada uma última análise pela BM&FBovespa. "A certificação ficará assim devidamente atualizada", disse.

Flavia destacou, ainda, que a Câmara Consultiva de Mercado para Governança de Estatais, órgão formado por 12 entidades e criado no momento em que foi definido que o programa passaria por audiência pública, será mantida.

Mais conteúdo sobre:
governança corporativa estatais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.