1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em assembleia, Petrobrás vai propor reforma do estatuto com 43 modificações

- Atualizado: 28 Março 2016 | 09h 35

Dentre as principais alterações propostas, está o novo prazo de gestão dos conselheiros de administração, de um para dois anos

SÃO PAULO - A Petrobrás realizará no dia 28 de abril assembleia geral extraordinária (AGE) e assembleia geral ordinária (AGO), na sede da companhia, no Rio de Janeiro. Na AGE será votada reforma do estatuto social, com 43 propostas de modificação, conforme o edital de convocação.

A maior parte das propostas é de ajustes de redação de termos e para renumerar incisos, mas há pontos relevantes de governança corporativa. Dentre as principais alterações, está o novo prazo de gestão dos conselheiros de administração, de um para dois anos.

Há ainda inclusão de parágrafo com limites de reeleição dos conselheiros e que veda a ocupação da função de presidente do órgão e de presidente da companhia pela mesma pessoa.

Proposta também diminui de sete para seis o número de diretores executivos da estatal

Proposta também diminui de sete para seis o número de diretores executivos da estatal

Conforme a proposta para alteração do estatuto, o número de diretores executivos passa de sete para seis, "de acordo com o novo modelo de gestão e governança da Petrobrás", diz o edital.

Outro tema da AGE será ratificar a renúncia da Petrobrás à subscrição de novas ações emitidas pela Logum Logística no último dia 09 de março.

Já a Assembleia Geral Ordinária tratará, dentre outros temas, da eleição de dez membros do conselho, sendo um indicado pelos empregados da companhia, um pelos acionistas minoritários e um por acionistas titulares de ações preferenciais. Ainda serão eleitos o presidente do conselho de administração e cinco membros do conselho fiscal (um por minoritários e  um por preferencialistas).

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX