1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Quase metade das empresas do Ibovespa tem CEO no conselho

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 11h 29

Entre as 58 companhias com as ações mais negociadas, 26 dão poder de voto na alta cúpula a seu principal executivo

Steinbruch é CEO e presidente do conselho da CSN
Steinbruch é CEO e presidente do conselho da CSN

Embora organizações no Brasil e no mundo recomendem às empresas a separação total de poderes entre quem planeja e quem executa a estratégia de negócios, 26 dentre as 58 companhias do Ibovespa – o índice das ações mais negociadas na Bolsa de São Paulo – possuem um presidente executivo ocupando também uma cadeira em seus conselhos de administração, como mostra um levantamento feito pelo Estado. Entre elas, a CSN tem seu principal executivo – Benjamin Steinbruch – respondendo tanto pela diretoria quanto pelo conselho.

Apesar de a separação ser obrigatória apenas para as funções de diretor presidente e presidente do conselho das empresas listadas no Novo Mercado (segmento da Bolsa em que estão as companhias com as melhores práticas de governança), o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) diz que o acúmulo de outras funções também não é ideal. “Que capacidade o conselho vai ter de exigir uma correção de rumo se esse rumo é o próprio conselho que faz?”, diz Eliane Lustosa, vice-presidente do IBGC.

Além do conflito de interesses, há o desconforto dos conselheiros em participar de uma reunião com um CEO presente. Com passagens pela Alcan, CSN e Alcoa, o sócio da recrutadora Caldwell Partners, Arthur Vasconcellos, diz que a presença desse executivo pode inibir a forma como os conselheiros votam. “Se você tem de votar a premiação do diretor-presidente e ele está lá, é desagradável”, diz. Vasconcellos tem uma opinião clara: “O diretor-presidente não deve participar do conselho. Ele deve ir à reunião quando o conselho chamar, entregar resultados e sair de cena.”

A total ausência do CEO, entretanto, não é recomendada pelo IBGC. A entidade defende uma sessão exclusiva com esse executivo ao final de toda reunião de conselho para tratar de assuntos delicados, como críticas à gestão. A prática, porém, é incomum no Brasil.

A divisão de funções provoca controvérsias e uma das justificativas é que não há certeza sobre o benefício da divisão. “Não existe um estudo que diga que a mistura traga um efeito negativo”, explica André Camargo, coordenador do Insper Direito. Para Rodrigo Luz, presidente do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (IBRI), é preciso refletir sobre as melhores práticas de acordo com a realidade do mercado brasileiro.

Outro lado. A Petrobrás diz que a maioria de seus conselheiros é independente e que o presidente é um representante interno da estatal no colegiado.

Banco do Brasil, BB Seguridade, Bradesco, Itaú, Hering, Santander, Telefônica e TIM afirmam que os CEOs nos conselhos facilitam a comunicação e a interação entre os executivos.

Cesp, EDP, Gerdau, Localiza, MRV e Rumo ALL afirmam que possuem conselheiros independentes e seguem os padrões de governança referentes a seu segmento de listagem na Bolsa.

BR Malls, Cemig, CSN, Copel, Hypermarcas, JBS, Lojas Americanas, Lojas Renner, Sabesp e Tractebel não se pronunciaram.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX