Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Secretário diz que Eletrobrás só deve ir para o Novo Mercado depois de 2018

O Novo Mercado é o segmento que lista empresas que possuem, segundo os critérios da B3, os maiores níveis de governança corporativa

Anne Warth, Broadcast

05 Outubro 2017 | 11h32

BRASÍLIA - O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, disse  que a privatização da Eletrobrás não deve incluir o enquadramento nas regras do Novo Mercado da B3. Na avaliação dele, isso deve ficar para o futuro, pois não haveria tempo de concluir todo o processo ainda em 2018.

O Novo Mercado é o segmento que lista empresas que possuem, segundo os critérios da B3, os maiores níveis de governança corporativa entre aquelas de capital aberto.

"Há elementos que havíamos pensado, por exemplo, levar a Eletrobrás ao Novo Mercado. No nosso entendimento, na visão atual, isso ampliaria o cronograma e comprometeria os prazos que queremos", afirmou, ao participar do 7º Encontro dos Associados da Associação dos Produtores Independentes de Energia Elétrica (Apine).

"Então, possivelmente, isso será obrigação do novo investidor, e não uma condição prévia ao leilão", acrescentou.

+ Eletrobrás deve abrir PDV para 2,4 mil funcionários

Pedrosa disse que a modelagem da privatização da Eletrobrás é um processo extremamente complexo e que exige a obediência de diversos dispositivos legais. O governo tem cerca de 60% de participação na companhia hoje.

"De um lado, precisamos agir com pressa e velocidade, mas precisamos agir de forma segura. Nesse processo, há um conjunto de segmentos contrariados, por todo tipo de motivos, que se opõem, até mesmo na base do governo e por motivos legítimos, sem dúvida", afirmou.

+ Governo enviará ao Congresso plano de privatização da Eletrobrás neste mês 

"Precisamos encaminhar tudo da maneira mais segura possível, para que não tenhamos nenhuma fragilidade ou processo judicial que comprometa os prazos. Esse é o esforço que estamos fazendo", acrescentou.

O secretário-executivo acredita que o processo terá sido consolidado até o início de 2018, com a definição do modelo, proposta e a contratação do processo. "A operacionalização disso se dará ao longo tempo, isso ainda está sendo definido. Mas o importante é a clareza em relação ao processo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.