1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Setubal se diz confortável com sucessão no Itaú Unibanco

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 21h 13

Presidente do banco deixa o quadro de executivos em 2017 e diz que processo não deve trazer 'problemas' para a instituição

O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, afirmou na terça-feira, 2, que se sente confortável com o processo de sucessão no banco que culmina com a sua saída do quadro de executivos da instituição em 2017. "No ano passado, anunciamos a reestruturação com a criação de três diretorias gerais: de atacado, varejo e tecnológica e de operações. A mudança se mostrou muito boa. O comitê executivo está mais alinhado, o banco mais ágil, mais conciso. A estrutura está funcionando muito bem neste momento", destacou ele.

Setubal disse ainda que está bastante satisfeito com o desempenho do banco e que sua sucessão não deve trazer "problemas" para a instituição. Acrescentou que a mudança na conjuntura econômica não afeta a estrutura do banco embora todos sofram com a recessão. Segundo ele, o fato de a de estrutura de risco estar centralizada em um executivo, Eduardo Vassimon, vice-presidente do Itaú, possibilita um controle muito mais uniforme dentro do banco.

O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal

O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal

Ainda sobre o processo de sua sucessão, lembrou que o número de subordinados a ele reduziu de 11 para cinco. Além de Márcio Schettini (diretoria de tecnologia), Marco Bonomi (diretoria de varejo) e Candido Bracher (diretoria de atacado), estão subordinados a ele os vice-presidentes Eduardo Vassimon e Claudia Politanski.

América Latina. Com os anos a expectativa do Itaú Unibanco é que suas operações da América Latina cresçam e cheguem a representar entre 15% e 20% dos resultados totais do banco, disse Setubal. No entanto, ele preferiu não dar um guidance de quando isso poderá ocorrer, mas reiterou que a intenção do banco é continuar ampliando sua presença na região.

Segundo Setubal, no curto prazo o banco não deverá fazer nenhum novo movimento na América Latina, já que neste momento o foco é na integração do banco chileno Corpbanca.

"Temos muito trabalho para integrar o Corpbanca, então estamos mais focados em fazer essa fusão acontecer, mas no médio prazo a intenção é expandir, destacou, durante entrevista coletiva à imprensa. O presidente do banco disse que é necessário dar um passo por vez. "Demos um passo com o Corpbanca e agora precisamos absorver, dar nosso padrão de governança para depois dar outros passos mais a frente", disse. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX