1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Ações da zona do euro têm maior ganho mensal desde fevereiro

FRANCESCO CANE - REUTERS

29 Agosto 2014 | 14h 47

O índice FTSEurofirst 300, que reúne os principais papéis do continente, subiu 0,33 por cento, a 1.373 pontos

As ações europeias encerraram esta sexta-feira com ligeiros ganhos, ajudando o índice de blue chips da zona do euro a registrar a maior alta mensal desde fevereiro.

Contudo, a maioria das bolsas europeias fechou abaixo das máximas vistas pela manhã, depois números sobre a inflação da zona do euro esfriaram a especulação no mercado sobre novos estímulos monetários do Banco Central Europeu (BCE), importante motor por trás da recuperação do mercado nas últimas três semanas.

O índice FTSEurofirst 300, que reúne os principais papéis do continente, subiu 0,33 por cento, a 1.373 pontos, após chegar a 1.376 pontos antes dos dados de inflação.

O índice de blue-chips da zona do euro Euro STOXX 50 subiu 0,3 por cento, marcando a terceira alta semanal seguida e acumulando ganho de 1,8 por cento em agosto, melhor desempenho mensal desde fevereiro.

A inflação na zona do euro caiu como esperado para nova mínima de cinco anos em agosto. Mas é pouco provável que a alta dos preços force o BCE a adotar alguma intervenção imediata na semana que vem.

Declarações do presidente do BCE, Mario Draghi, haviam alimentado na semana passada apostas de que o banco central estaria se preparando para injetar mais dinheiro no sistema, possivelmente através de compras de títulos corporativos ou públicos, numa medida conhecida como "quantitative easing" (QE).

"Acredito que as pessoas se deram conta de que, para o BCE partir para QE do setor público... o BCE terá de ver o branco dos olhos da deflação", disse o estrategista de investimentos da Russell Investment Wouter Sturkenboom. "Conforme saem os números, essas condições não estão sendo atendidas".

Sturkenboom ainda espera que o BCE esteja pronto para agir se necessário, mas argumentou que o banco central vai primeiro aguardar para ver o impacto de seu novo programa de empréstimo de longo prazo, que vai começar em setembro e cujo objetivo é dar aos bancos incentivo para emprestar mais à economia real.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,2 por cento, a 6.819 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,08 por cento, a 9.470 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,34 por cento, a 4.381 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,54 por cento, a 20.450 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,06 por cento, a 10.728 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,6 por cento, a 5.942 pontos.