1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Afetada pelo petróleo, Bovespa tem 6ª queda seguida

- Atualizado: 13 Janeiro 2016 | 19h 22

Queda do preço do barril no mercado internacional tem afetado o desempenho do principal índice de ações da Bolsa brasileira, que já atingiu o menor nível desde 2009

Mais uma vez a Bovespa não sustentou os ganhos exibidos pela manhã e fechou em queda nesta quarta-feira, 13, abaixo dos 39 mil pontos. Os dados da balança da China incentivaram as compras pela manhã, mas os estoques de petróleo e derivados dos EUA chamaram as vendas à tarde. 

A Bolsa brasileira marcou sua sexta queda consecutiva, de 1,44%, aos 38.944,44 pontos, no menor nível desde 16 de março de 2009 (38.607,20 pontos). Na mínima da sessão, registrou 38.822 pontos (-1,75%) e, na máxima, 40.050 pontos (+1,36%). Nestes seis pregões, acumulou perdas de 8,20% e, em janeiro, a queda alcança 10,16%. O giro financeiro totalizou R$ 5,087 bilhões. 

Segundo analistas, Bovespa ainda não chegou ao fundo do poço

Segundo analistas, Bovespa ainda não chegou ao fundo do poço

A Bovespa acompanhou o efeito dos dados da balança chinesa sobre os ativos pela manhã e operou em alta, recuperando parte da queda dos últimos dias. Pequim anunciou que seu superávit comercial ficou em US$ 60,1 bilhões em dezembro, acima da previsão dos analistas. Tanto as exportações quanto as importações caíram bem menos do que o projetado. 

As compras chinesas de petróleo bruto registraram avanço anual de 9,3% em dezembro e puxaram a commodity pela manhã. No começo da tarde, os dados de estoques de petróleo e derivados divulgados pelo Departamento de Energia dos EUA vieram muito acima das previsões e derrubaram o preço do petróleo.

Segundo o DoE, os estoques de gasolina e destilados subiram muito mais do que as estimativas. No final da sessão, entretanto, o contrato do petróleo para fevereiro avançou 0,13%, a US$ 30,48.

O efeito dos estoques sobre o petróleo e este sobre Wall Street culminou na inversão do Ibovespa para o negativo, no início da tarde. 

Petrobrás e Vale, que subiam pela manhã, viraram para o negativo à tarde e pressionaram o índice para baixo, num movimento coordenado com outros papéis, como os dos setores financeiro e siderúrgico. 

Petrobrás ON (ações com direito a voto) caiu 2,86% e a PN (preferência por dividendos) fechou em baixa de 4,70%. Vale ON terminou em queda de 4,36% na ON e de 3,03% na PNA. 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX