1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após fortes perdas, setor bancário se recupera e bolsas na Europa sobem

- Atualizado: 10 Fevereiro 2016 | 14h 00

Onda de aversão ao risco que atingiu o mercado financeiro europeu nos últimos dias parece ter se dissipado temporariamente; bolsas na região tiveram três dias seguidos de grandes quedas

LONDRES - Após três sessões seguidas com fortes perdas, as bolsas europeias tentam se reerguer na manhã desta quarta-feira, 10. A reação das ações do setor bancário e a recuperação parcial das commodities abrem espaço para a alta dos papéis. Analistas notam, porém, que nada mudou substancialmente no cenário e permanecem os riscos que derrubaram os ativos nos últimos dias.

Às 13h30 horas (de Brasília), os principais mercados europeus operavam em firme alta: Londres subia 0,97%, Frankfurt ganhava 2,47%, Paris avançava 2,45%, Madri registrava valorização de 3,63% e Milão subia ainda mais fortemente, com alta de 5,12%. 

A onda de aversão ao risco que atingiu o mercado financeiro europeu nos últimos dias parece ter se dissipado temporariamente. Nos negócios da manhã, as principais bolsas da região apresentam alta vigorosa, com a percepção de que houve exagero na mão vendedora. Símbolo da desconfiança do início da semana, as ações do Deutsche Bank também lideram a reação. Compradores voltaram e a ação do banco alemão sobe mais de 8% em Frankfurt.

Símbolo da desconfiança do início da semana, as ações do Deutsche Bank também lideram a reação positiva

Símbolo da desconfiança do início da semana, as ações do Deutsche Bank também lideram a reação positiva

Na noite desta terça-feira, o jornal britânico Financial Times publicou reportagem em que afirma que a direção do Deutsche Bank estaria considerando recomprar vários bilhões de euros em títulos da dívida do próprio banco, após a queda expressiva dos papéis nos últimos dias. Até o poderoso ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, saiu em defesa do banco privado alemão e disse que não se preocupava com o tema.

A valorização do banco alemão contrasta com a desconfiança que surgiu recentemente sobre a saúde do setor financeiro europeu. Instigados pelo temor de que há problemas dentro das casas bancárias e que as instituições ainda sofrerão pelo ambiente de juros negativos, muitos investidores se desfizeram de posições e os papéis do setor foram duramente castigados em vários países como Alemanha, Espanha e Itália. "Embora seja fácil sugerir que essa venda recente que atingiu os bancos tenha sido exagerada, confiança é tudo para o setor bancário. Como a história mostrou em 2008, uma vez que a confiança vai embora, é muito difícil voltar", comentou Michael Hewson, analista da corretora CMC Markets.

Ásia. Na Ásia, a tendência foi de baixa nos mercados. A Bolsa de Tóquio voltou a apresentar fortes perdas nesta quarta-feira, em meio a preocupações com a desaceleração da economia e a tendência de fraqueza do petróleo, que mantiveram as ações de energia e do setor financeiro pressionadas.  O Nikkei, índice que reúne as empresas mais negociadas na capital do Japão, caiu 2,31%, após sofrer um tombo de 5,4% na sessão anterior. O avanço do iene ante outras moedas importantes, como o dólar e o euro, continua pressionando as ações em Tóquio. O iene, que costuma atrair demanda em momentos de incerteza, torna as exportações japonesas menos competitivas quando se fortalece.

Receios causados pelo setor bancário global também ajudam a pressionar os papéis dos bancos japoneses, que já enfrentam a perspectiva de lucros menores após a decisão do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), no fim de janeiro, de cortar sua taxa de depósitos, de 0,1% para -0,1%. No setor financeiro, os destaques de baixa em Tóquio hoje incluíram Mitsubishi UFJ Financial Group (-7,08%), Mizuho Financial Group (-5,4%) e Sumitomo Mitsui Financial Group (-4,04%). A continuidade da fraqueza do petróleo, que ontem caiu quase 6% em Nova York e perto de 8% em Londres, afetou as ações de petrolíferas japonesas. Foi o caso da Inpex (-2,81%) e da Japan Petroleum (-4,04%).

Outros grandes mercados asiáticos permaneceram fechados hoje em função do feriado do ano-novo chinês, que está sendo celebrado ao longo da semana. Além dos mercados chineses - de Xangai e de Shenzhen -, ficaram fechadas as bolsas de Hong Kong, Taiwan e Coreia do Sul. Os negócios nos mercados de Hong Kong e sul-coreano serão retomados nesta quinta-feira./ Colaborou Sergio Caldas

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX