BC volta ao mercado. O que isso quer dizer?

Depois de uma semana fora do mercado de câmbio, o Banco Central retomou hoje o seu leilão de compra da moeda. Isso provavelmente indica que a entrada de recursos é forte e que o governo está fortalecendo suas reservas internacionais líquidas, como disse o presidente do BC, Henrique Meirelles, neste fim de semana. E também significa que, indiretamente, o governo deve continuar contendo quedas mais bruscas da cotação da moeda dos Estados Unidos. O BC ficou fora do mercado porque a semana passada foi tumultuada, embora o mercado tenha encerrado a semana muito mais tranqüilo. Hoje a moeda abriu alta nos mercados internacionais, seguindo a elevação dos juros dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, mas a aceleração não se não sustentou. A diminuição do ritmo de alta dos juros dos títulos norte-americanos aconteceu no meio da manhã, depois que saiu o número do instituto de gestão da oferta sobre a atividade industrial nos EUA (o dado caiu para 55,2 em março depois de registrar 56,7 em fevereiro e ante projeção de 58 dos economistas). ?O cenário externo é o que tem pautado o mercado de câmbio?, justifica um operador, ao ressalvar que notícias de impacto, claro, podem mexer nas cotações. Uma destas notícias poderia vir da balança comercial de março, divulgada hoje. Mas não foi o que houve. O superávit registrado no mês ficou dentro do previsto pelas estimativas dos analistas (US$ 3,5 bilhões a US$ 3,9 bilhões), embora abaixo da mediana (US$ 3,8 bilhões). ?Se viesse muito fora da linha, teríamos repercussão imediata no dólar?, explicou um operador. ?Não dá para afirmar que o leilão veio para enxugar a liquidez dos recursos da captação, mas é uma aposta?, disse um operador. Ele se referia ao boato de que houve ingresso de US$ 200 milhões em recursos da captação da companhia aérea Gol, anunciada na semana passada. Não houve confirmação, mas a informação correu em várias mesas de operação. No dia 29, a Gol emitiu US$ 200 milhões em títulos no exterior.

Agencia Estado,

03 Abril 2006 | 16h40

Mais conteúdo sobre:
câmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.