Bolsa de Nova York ignora petróleo e fecha em alta

O mercado norte-americano de ações fechou com os principais índices em alta, apesar de o núcleo do índice de preços ao consumidor de março ter superado as previsões e o fato de os preços do petróleo e do ouro terem alcançado novos recordes. O índice Nasdaq fechou no nível mais alto desde 16 de fevereiro de 2001. O mercado reagiu a informes de resultados de empresas importantes, entre elas seis componentes do índice Dow Jones. "O mais importante são os lucros, e os informes de resultados estão saindo dentro das expectativas ou ainda melhores. As pessoas temem começar a vender, tendo em vista números tão fortes", comentou o estrategista da Cantor Fitzgerald, Marc Prado. Entre as componentes do Dow, as ações que reagiram à divulgação de informes de resultados foram United Technologies (+6,62%), IBM (-1,74%), Honeywell International (-1,43%), Coca-Cola (+0,94%), JP Morgan Chase (+0,05%) e Pfizer (-0,44%). As ações da Intel, que divulgaria resultados depois do fechamento, subiram 0,88%. Entre as empresas que apresentaram balanços também estavam Yahoo (+7,16%), Motorola (-6,60%), AMR (+3,86%), Seagate Technology (-6,4%), Texas Instruments (+1,3%), Genzyme (-7,8%) e Johnson Controls (+8,8%). O índice Dow Jones fechou em alta de 10,00 pontos (0,09%), em 11.278,77 pontos. A mínima foi em 11.236,19 pontos e a máxima em 11.302,95 pontos. O Nasdaq encerrou com ganho de 14,74 pontos (0,63%), em 2.370,88 pontos, com mínima em 2.350,04 pontos e máxima em 2.370,93 pontos. O Standard & Poor's-500 subiu 2,28 pontos (0,17%), para 1.309,93 pontos. O NYSE Composite avançou 41,81 pontos (0,50%), em 8.431,25 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,754 bilhão de ações, de 1,846 bilhão ontem; 2.066 ações subiram, 1.264 caíram e 147 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume ficou em 2,187 bilhões de ações negociadas, de 2,260 bilhões na quarta-feira, com 1.995 ações terminando com ganho e 1.041 em queda. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

19 Abril 2006 | 18h22

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.