1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dólar cai para R$ 3,91; Bolsa tem dia de recuperação e sobe

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 18h 29

Moeda norte-americana terminou o dia em queda de 1,92% sob influência dos mercados externos

Ações da Petrobrás, Vale e bancos impulsionam Ibovespa

Ações da Petrobrás, Vale e bancos impulsionam Ibovespa

O dólar fechou nesta quarta-feira, 3, no menor patamar de 2016, sob influência do exterior e em meio a comentários sobre atuação de instituições públicas no mercado. A moeda americana fechou em baixa de 1,92%, aos R$ 3,9158. Já a Bovespa corrigiu parte do tombo de quase 5% da véspera e fechou em alta 2,57%.

As commodities, como minério de ferro e petróleo, subiram hoje. No mercado à vista chinês, o minério avançou 2,1% a tonelada seca, para US$ 44. Na Nymex, o contrato do óleo para março saltou 8,03%, a US$ 32,28 o barril, enquanto, em Londres, a alta do contrato para abril foi de 7,09%, a US$ 35,04 o barril. 

Alguns dados divulgados nos EUA posteriormente, como o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços (de 54,3 para 53,2 em janeiro) reforçaram a tendência de baixa das cotações em alguns momentos. Na máxima do dia, vista às 13h38, o dólar marcou R$ 3,9757 (-0,42%) para, durante a tarde, intensificar mais a trajetória negativa.

Profissionais ouvidos pelo Broadcast disseram que, pelas mesas de operação, também circulavam rumores de que uma instituição pública estaria influenciando as cotações. Estes comentários fizeram o dólar à vista chegar a ser cotado, às 16h10, na mínima de R$ 3,9147 (-1,95%). Operadores também citavam, durante a tarde, comentários de que o Banco Central pode, sim, elevar a Selic (a taxa básica de juros) em suas próximas reuniões. Se isso ocorrer, em tese, o Brasil ficará ainda mais atrativo para investimentos de estrangeiros.

Ações. Com a melhora das commodities, associada à forte queda da véspera, Vale ON avançou 4,77% e a PNA, 5,94% (segunda maior alta do Ibovespa). Petrobrás ON marcou valorização de 2,66% e a PN, 4,42%.

No setor financeiro, Bradesco influenciou a valorização dos papéis depois de anunciar a suspensão de uma operação de aumento de capital via subscrição particular de ações, no valor de R$ 3 bilhões. A instituição justificou o cancelamento pela volatilidade dos mercados acionários nacional e internacional, com impacto no preço de cotação das ações na Bovespa. 

Bradesco PN subiu 4,82% e a ON, 6,32%, esta última a maior alta do Ibovespa. Itaú Unibanco PN avançou 4,13%, BB ON, 1,30%, e Santander unit, 1,92%. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX