1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Bolsa sobe após divulgação de queda na aprovação do governo Dilma

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado

27 Março 2014 | 11h 00

O Ibovespa começou o pregão ignorando o mau humor em Nova York

O Ibovespa começou o pregão ignorando o mau humor em Nova York e reagindo em alta à piora da avaliação do governo de Dilma Rousseff na pesquisa CNI/Ibope, divulgada nesta quinta-feira, 27. Segundo a pesquisa, a avaliação positiva do governo Dilma caiu de 43% para 36% e a negativa subiu de 20% para 27%. Houve piora na confiança na presidente Dilma e na maneira de Dilma governar o País.

As ações da Petrobrás disparam mais de 3% e ajudam a puxar o índice, que caía no mercado futuro antes da divulgação da pesquisa. O dólar à vista renovou as mínimas, enquanto os juros futuros mais longos tiveram reação momentânea, renovando as mínimas, mas agora as atenções voltam ao Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que mostrou piora nas projeções de inflação para este ano.

Às 10h20, o Ibovespa subia 1,86%, aos 48.857,66 pontos. As ações da Petrobrás subiam 3,33% (PN) e 3,05% (ON), mesmo com a notícia de que oposição protocolou nesta manhã no Senado Federal o pedido de abertura de CPI para investigar a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela estatal.

O dólar à vista no balcão perdia 0,65%, a R$ 2,2950. O dólar futuro para abril tinha queda de 0,69%, a R$ 2,2940.

O DI para janeiro de 2015 exibia taxa de 11,16%, de 11,15% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2017 estava em 12,34%, de 12,439% no ajuste de quarta-feira, 26. O DI para janeiro de 2021 tinha taxa de 12,71%, na máxima, 12,829% no ajuste de ontem.

Em Nova York, o Dow Jones subia 0,04%, o Nasdaq perdia 0,13% e o S&P 500 tinha baixa de 0,08%, às 10h33.

A economia americana cresceu 2,6% no 4º trimestre, abaixo da estimativa de analistas de alta de 2,7%, mas acima da leitura anterior, que tinha ficado em alta de 2,4%. Outro dado divulgado, o índice de preços dos gastos com consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês), foi revisado para alta de 1,1% no quarto trimestre do ano passado, de +1,0% no cálculo anterior. O avanço do núcleo do índice foi mantido em 1,3% no período. Já os pedidos de auxílio-desemprego caíram para 311 mil na semana passada, ante uma previsão de 325 mil.

Ainda nos EUA, a presidente do Federal Reserve de Cleveland, Sandra Pianalto, afirmou que a economia do país continuará crescendo este ano, ajudada pela política monetária acomodatícia do Fed. "Espero que a expansão do PIB neste ano fique em torno de 3,0%", disse.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo