1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Bolsas asiáticas fecham em alta

AE - Estadão Conteúdo

03 Setembro 2014 | 08h 18

Os mercados de ações da região da Ásia e do Pacífico fecharam em alta nesta quarta-feira, impulsionados pela melhora no setor de serviços da China. A tendência de ganhos também foi direcionada pela expectativa sobre reformas econômicas no país, diante do enfraquecimento em outras áreas, como a indústria.

O índice de atividade dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços da China subiu para 54,1 em agosto, de 50,0 em julho, segundo dados medidos pelo banco HSBC. Esse foi o maior ritmo de expansão desde março de 2013, em contraste com a estagnação registrada no mês anterior quando o indicador registrou a pior leitura desde o início de sua série histórica. A melhora também foi observada no indicador semelhante da Federação de Logística e Compras do país (CFLP), que avançou para 54,4 em agosto, de 54,2 em julho. O resultado do PMI oficial marcou a primeira elevação em três meses.

Em resposta, o índice Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, ganhou 2,30% e encerrou o dia a 25.317,95 pontos, o maior nível no ano. O índice Xangai Composto registrou alta de 1,00%, aos 2.288,63 pontos, o patamar mais elevado desde 3 de junho de 2013. O índice Shenzhen Composto avançou 0,78%, para 1.258,74 pontos.

Apesar da melhora no setor de serviços, indicadores recentes mostraram um enfraquecimento na indústria da China, o que acentuou expectativas por possíveis medidas reformistas no país. O Partido Comunista da China vai realizar a sua quarta sessão plenária em outubro, no qual poderá abordar temas como o Estado de Direito e reformas econômicas. "Os investidores deixaram a perda de ritmo da economia para trás e, em vez disso, estão depositando suas esperanças nas reformas antes de uma reunião importante do Partido", disse Guo Feng, assessor-chefe de investimentos no Northeast Securities.

Nesse cenário, o índice PSEI, das Filipinas, ganhou 1,40%, aos 7.206,02 pontos, e o Taiwan Weighted avançou 0,54%, para 9.450,35 pontos. Na contramão, o índice Kospi, da Coreia do Sul, cedeu 0,02%, aos 2.051,20 pontos, com forte baixa nas ações da Samsung Electronics. Os papéis da empresa foram alvo de vendas depois que o analista Michael Bang, do Goldman Sachs, reduziu a previsão de lucros, ao citar um risco maior para vendas de smartphones em mercados emergentes, como China e Índia.

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 cedeu 0,04%, aos 5.656,10 pontos. Entre os fatores negativos, as ações da BHP Billiton recuaram 1,90% e da Fortescue Metals perderam 2,44%, diante da baixa nos preços de minério de ferro. (Lucas Hirata, com informações da Dow Jones - lucas.hirata@estadao.com)