1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Bolsas asiáticas fecham sem direção única

AE - Agência Estado

04 Julho 2014 | 08h 20

Os índices acionários da região da Ásia e do Pacífico fecharam em direções divergentes nesta sexta-feira. A melhora no mercado de trabalho norte-americano, mostrado pelo relatório de emprego de junho, impulsionou as bolsas de Hong Kong e Sydney, contudo a tendência vendedora prevaleceu sobre os papéis na China devido a novas preocupações sobre calotes no país.

De acordo com o relatório de empregos dos EUA, publicado na quinta-feira, a economia norte-americana criou 288 mil empregos em junho, ante a previsão de geração de 215 mil vagas, numa nova indicação de fortalecimento do setor no país. Além disso, os números de maio e abril foram revisados para cima, dando mais motivos para comemoração entre os investidores. A taxa de desemprego, divulgada em um documento separado, também surpreendeu, ao cair para 6,1% em junho, contra uma expectativa de que ficaria em 6,3%.

Em Sydney, o índice S&P/ASX 200 fechou em alta 0,62%, aos 5.525,00 pontos, levando a um ganho de 1,45% na semana. O destaque na Austrália ficou por conta do setor de mineração, após uma elevação nos preços do minério de ferro à vista e enfraquecimento do dólar australiano. As ações da BHP Billiton subiram 0,91%, as da Rio Tinto ganharam 0,24% e da Fortescue avançaram 1,08%.

A Bolsa de Mumbai fechou em novo nível recorde nesta sexta-feira, impulsionada ainda pela expectativa de que o governo da Índia anunciará novas medidas de reformas durante a apresentação do orçamento federal, no próximo dia 10. O índice S&P BSE Sensex ganhou 0,54% e encerrou o dia a 25.962,06 pontos. Na semana, houve elevação 3,43%.

O índice Hang Seng, de Hong Kong, teve ganho de 0,06% no dia e de 1,40% na semana, aos 23546,36 pontos. Em Seul, o índice Kospi encerrou a sessão em baixa de 0,07%, 2.009,66 pontos, com elevação de 1,06% na semana. A sexta-feira contou com volume de operações mais baixo devido ao feriado nos EUA, que mantém os mercados financeiros de Nova York fechados.

Na China, as ações perderam força, pressionadas pelo setor financeiro devido a preocupações com inadimplência. O índice Xangai Composto perdeu 0,19%, aos 2.059,38 pontos, com ganho de 1,12% na semana. O índice Shenzhen Composto cedeu 0,03% no dia e ganhou 2,44% na semana, aos 1.113,55 pontos. As bolsas chinesas também foram alvo de realização de lucros nesta sexta-feira.

No último sinal de tensão nos mercados de crédito da China, um pequeno banco no leste do país, o Qilu Bank, informou na semana que confiscou imóveis de uma empresa do setor após esta ter falhado no pagamento de empréstimos e juros no valor de mais de 40 milhões de yuans (US$ 6,4 milhões). O banco fica na cidade de Jinan, anunciou em sua página na internet que abriu um processo contra a Licheng District Comprehensive Development Corporation of Urban Construction e que vai leiloar imóveis e outros ativos confiscados da empresa após uma decisão judicial favorável. com informações da Dow Jones