1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Bolsas da China fecham mais cedo após forte queda no primeiro pregão do ano

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 09h 43

Mercado reagiu mal a dados chineses de produção industrial e movimento de baixa afetou os negócios em outros países da Ásia e do Pacífico; novo mecanismo de proteção fez com que a sessão fosse encerrada mais cedo

As bolsas da Ásia e do Pacífico encerraram o primeiro pregão de 2016 com fortes perdas, após números decepcionantes sobre a manufatura da China reacenderem preocupações sobre a saúde da segunda maior economia do mundo e levarem os mercados chineses a fecharem antes do horário normal, em meio a estreia de um novo sistema de circuit breaker, mecanismo que interrompe as negociações quando há movimentos muito intensos durante o pregão.

O Xangai Composto, principal índice acionário da China, sofreu um tombo de 6,9% nesta segunda-feira, terminando a sessão a 3.296,66 pontos, enquanto o Shenzhen Composto, que tem menor abrangência, despencou 8,2%, a 2.119,90 pontos. A queda do Xangai foi a maior já registrada no primeiro dia do ano.

Principal índice de ações do mercado chinês, o Xangai composto teve a maior queda já registrada em um primeiro dia do ano

Principal índice de ações do mercado chinês, o Xangai composto teve a maior queda já registrada em um primeiro dia do ano

Mais de 1.200 ações das bolsas de Xangai e de Shenzhen ultrapassaram o limite diário de desvalorização de 10% hoje, segundo a Wind Information.

Em Hong Kong, o Hang Seng teve baixa de 2,68%, a 21.327,12 pontos, enquanto o índice sul-coreano Kospi perdeu 2,17%, a 1.918,76 pontos, o menor nível da sessão. No mercado taiwanês, o Taiex registrou baixa de 2,7%, a 8.114,26 pontos, apresentando seu pior desempenho no primeiro dia de ano desde 1998, e em Manila, o índice filipino PSEi caiu 1,7%, a 6.833,42 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o fraco desempenho dos mercados asiáticos, com o sentimento dos investidores também influenciado pelo indicador ruim da China. O S&P/ASX 200, índice que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, recuou 0,5% nesta segunda, a 5.270,50 pontos. Em 2015, o índice australiano teve queda acumulada de 2,1%, depois de mostrar ganhos nos três anos anteriores.

Cenário. O mau humor na Ásia veio após pesquisa da Caixin Media e da Markit mostrar que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial chinês recuou para 48,2 em dezembro, de 48,6 em novembro. O resultado marcou o 10º mês consecutivo de leitura abaixo da barreira psicológica de 50,0, o que indica contração de atividade na manufatura chinesa.

Outro fator de preocupação para os investidores é a fraqueza da moeda chinesa, o yuan. Para os negócios desta segunda-feira, 4, o Banco do Povo da China (PBoC, o banco central chinês) estabeleceu a taxa de paridade em 6,5032 yuans por dólar, o menor nível da divisa chinesa desde 2011, ante 6,4936 yuans/dólar na última quinta-feira (31).

O PMI ruim coincidiu com o início do funcionamento do sistema de circuit breaker nas bolsas chinesas, anunciado em dezembro.

Como o CSI 300, índice que reúne as 300 ações mais líquidas negociadas em Xangai e Shenzhen, atingiu o limite de queda de 7%, os negócios com ações na China foram encerrados mais cedo. Antes disso, as transações chegaram a ser interrompidas por 15 minutos, logo após o CSI mostrar perdas de 5%.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX