Bolsas de Nova York sobem, mas atentas ao petróleo

As bolsas norte-americanas abriram em alta, influenciadas pelos balanços da Alcoa, do setor de alumínio, e pela expectativa com o resultado da Genentech, segunda maior companhia de biotecnologia do mundo. Mas o movimento pode ser contido por apreciação maior das cotações do petróleo. Nesta manhã, o produto com vencimento para maio atingiu preço recorde de alta em Londres e os investidores acreditam que o petróleo poderá aproximar-se em breve do nível de US$ 70,00 o barril em Nova York. Às 10h31 (de Brasília), o Nasdaq-100 subia 0,26%; o S&P 500 avançava 0,02%; e o Dow Jones apresentava ganho de 0,39%. O petróleo para maio negociado na Nymex eletrônico operava em alta de 0,47%, a US$ 69,06. O contrato chegou a US$ 69,45 na máxima. As ações da Alcoa subiram 7% nas operações pré mercado, influenciadas pelo anúncio do lucro de lucro mais de duas vezes superior ao registrado no mesmo período do ano passado, graças à apreciação dos preços dos metais e de aumento na demanda pela indústria aeroespacial e de caminhões. A maior fabricante de alumínio do mundo disse que lucrou US$ 608 milhões ou US$ 0,69 por ação no primeiro trimestre. As ações da International Paper subiram 3%, com elevação de sua recomendação pelo Morgan Stanley. A Genentech irá divulgar seu balanço após o fechamento. Analistas esperam aumento de 42% em seu lucro no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2005. As informações são da Dow Jones e agências internacionais.

Agencia Estado,

11 Abril 2006 | 10h32

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.