1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Bolsas europeias avançam após novas medidas do BCE

LUCAS HIRATA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES - Estadão Conteúdo

04 Setembro 2014 | 13h 57

O anúncio de novas medidas de estímulo pelo Banco Central Europeu (BCE) animou os investidores e as bolsas europeias fecharam em altas acentuadas nesta quinta-feira, 04. A autoridade monetária da zona do euro surpreendeu grande parte dos agentes do mercado ao reduzir as taxas básicas de juros e ao lançar um programa de compra de ativos. O índice pan-europeu STOXX Europe 600 encerrou com ganho 1,14%, aos 348,89 pontos.

O BCE diminuiu a taxa de refinanciamento para uma nova mínima histórica, de 0,05%, ante 0,15% anteriormente. O BCE também ampliou a taxa negativa dos depósitos bancários estacionados na instituição para -0,20%, de -0,10%, e diminuiu a taxa de juros de empréstimo marginal para 0,30%, de 0,40%. Outra grande novidade veio com o discurso do presidente da instituição Mario Draghi, que anunciou o lançamento de dois programas de compras de ativos. A partir de outubro, o banco passará a adquirir títulos lastreados em ativos (ABS, na sigla em inglês) do setor privado não financeiro e um amplo portfólio de bônus cobertos denominados em euros.

As medidas foram tomadas num momento em que muitos investidores vinham manifestando preocupação com a saúde econômica da Europa. Draghi informou que as projeções da autoridade monetária para a inflação da zona do euro foram revisadas de 0,7% para 0,6% neste ano e permanecerão abaixo da meta oficial do banco, de 2,0%, em 2015 e 2016. De acordo com estimativas da Eurostat, a inflação na zona do euro acumulada até agosto estava em 0,3%, ante 0,4% registrado em julho.

Draghi reiterou também que o BCE está pronto para fornecer mais estímulos, caso necessário, por meio de "instrumentos não convencionais dentro de seu mandato", incluindo compras diretas em larga escala de bônus. A autoridade afirmou que um programa deste tipo foi discutido durante a reunião de hoje e que alguns membros queriam mais medidas, enquanto outros queriam menos.

Em resposta aos novos esforços e promessas do BCE, cresceu a demanda por ações na Europa. O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, terminou em alta de 1,65%, aos 4.494,94 pontos, e o Dax, de Frankfurt, teve alta de 1,02%, aos 9.724,26 pontos. O FTSEMib, de Milão, registrou elevação de 2,82%, aos 21.419,39 pontos, e PSI-20, da Bolsa de Lisboa, subiu 1,78%, aos 6.054,40 pontos. Em Madri, o índice IBEX-35 ganhou 1,96%, 11.100,10 pontos.

A alta foi menor em Londres, onde o índice FTSE-100 terminou com valorização de 0,06%, aos 6.877,97 pontos. Mais cedo, o Banco da Inglaterra (BoE) manteve a taxa básica de juros na mínima histórica de 0,5% e o programa de compra de ativos em 375 bilhões de libras, conforme esperado por analistas.