1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petróleo se recupera e dólar fecha em queda de mais de 1%

- Atualizado: 26 Janeiro 2016 | 19h 01

Moeda norte-americana encerrou negócios cotada a R$ 4,06; Bolsa fechou em queda de 1,40%, com mercado se ajustando a perdas da Petrobrás e da Vale no exterior

(Atualização às 18h50)

O dólar à vista fechou em baixa de 1,11% nesta terça-feira, cotado a R$ 4,0625. A queda da moeda norte-americana foi determinada principalmente pela recuperação dos preços do petróleo no mercado internacional, que aumentou o apetite por risco dos investidores e valorizou as moedas de países emergentes e exportadores de commodities, como o Brasil.

O dólar chegou subir pela manhã, quando atingiu a máxima de R$ 4,1221 (+0,34%). A virada aconteceu depois que o ministro do Petróleo do Iraque, Abdul Karim Luaibi, declarou que a Arábia Saudita, o maior exportador mundial da commodity, está "mais flexível" em relação a possíveis cortes em sua produção. Além disso, a petrolífera estatal saudita Saudi Aramco disse que o aumento da demanda por petróleo pode superar 1,2 milhão de barris por dia em 2016. 

Dólar encerrou a sessão em queda com a recuperação dos preços do petróleo

Dólar encerrou a sessão em queda com a recuperação dos preços do petróleo

Os comentários fizeram o petróleo se firmar em alta e, durante a tarde, chegar a subir mais de 6% em Londres e em Nova York. Com isso, as bolsas se consolidaram em alta pelo mundo e o dólar voltou a bater mínimas no Brasil, atingindo R$ 4,0523 (-1,35%). Para isso, contribuíram ainda dados positivos da economia dos EUA, como o índice de confiança do consumidor, que subiu para 98,1 em janeiro, de 96,3 em dezembro (dado revisado). Analistas previam recuo a 96,0. 

O cenário doméstico apresentou poucas novidades. Pela manhã, o Banco Central informou que o País teve déficit em conta corrente de US$ 2,460 bilhões em dezembro, um resultado melhor que o rombo de US$ 11,654 bilhões de dezembro de 2014. No ano passado, o déficit ficou em US$ 58,942 bilhões, também melhor que os US$ 104,181 bilhões do acumulado de 2014. 

Outro destaque foi o Investimento Direto no País (IDP, antigo IED), que somou US$ 15,211 bilhões em dezembro e US$ 75,075 bilhões em 2015, cobrindo com folga os déficits em conta corrente. Com o resultado desta terça-feira, o dólar à vista passa a acumular alta de 2,59% em janeiro.

Bolsa. A Bovespa trabalhou o dia todo na contramão de Nova York e fechou a sessão como começou: em queda. Sem pregão na véspera, por causa do feriado do aniversário de São Paulo, a terça-feira serviu para ajustar posições ao comportamento dos papéis de empresas negociados em Wall Street ontem. 

O Ibovespa encerrou a sessão em queda de 1,40%, aos 37.497,48 pontos. Na mínima, marcou 37.112 pontos (-2,42%) e, na máxima, 38.031 pontos (estabilidade). No mês, acumula perda de 13,50%. O giro financeiro totalizou R$ 4,620 bilhões, segundo dados preliminares.

Os profissionais consultados reforçaram a leitura da manhã de que a Bovespa hoje teve um pregão de ajuste. O sinal negativo também foi atribuído à falta de credibilidade do governo, que deixa o investidor desconfortável em assumir posições na Bolsa. 

Na véspera, em dia de recuo das bolsas norte-americanas, o ADR preferencial da Petrobrás (PBRA) cedeu 5,24%, enquanto o ordinário (PBRN) teve baixa de 3,63%. No caso da Vale, o ordinário (VALE) caiu 5,29% e o preferencial (VALEP) recuou 4,76%.

Hoje, a ação ON (com direito a voto) da estatal caiu 4,03%, a R$ 5,96, enquanto a PN (preferência por dividendos) perdeu 4,76%, a R$ 4,20. Destaque para a notícia de que os trabalhadores da Petrobrás receberam indicação da empresa de que o resultado financeiro do último trimestre do ano passado pode comprometer o ganho acumulado nos primeiros nove meses do ano.

Vale ON cedeu 0,89%, a R$ 8,95, e a PNA subiu 1,34%, a R$ 6,82, ambas melhorando na reta final. 

JBS ON caiu 7,33% e liderou a lista de maiores quedas do índice, depois que foi veiculada notícia informando que o Ministério Público Federal em São Paulo denunciou nove investigados ligados ao Grupo JBS e ao Banco Rural, instituição-chave no caso do mensalão, por crime contra o Sistema Financeiro Nacional. 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX