1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Crise política faz dólar fechar a R$ 3,59 e cair mais de 10% em março

- Atualizado: 11 Março 2016 | 19h 57

Moeda recuou 0,67% no pregão desta sexta-feira; Bolsa chegou a bater a marca dos 50 mil pontos durante a sessão, patamar que não era atingido desde agosto do ano passado

Dólar teve queda nos últimos pregões

Dólar teve queda nos últimos pregões

 SÃO PAULO - O dólar comercial fechou abaixo dos R$ 3,60 nesta sexta-feira, 11, refletindo os desdobramentos das investigações da Operação Lava Jato e o pedido de prisão do ex-presidente Lula. A moeda recuou 0,67%, cotada a R$ 3,5945, no menor patamar desde agosto do ano passado. Apenas nas primeiras duas semanas de março, o dólar já acumula queda de mais de 10%.

Um dia após fechar em baixa de mais de 2%, a moeda abriu a sessão em alta, mas virou para o terreno negativo. O cenário político é o que dá volatilidade ao mercado e foi citado tanto para explicar a alta durante a manhã como a queda pela tarde. De manhã, analistas afirmavam que havia cautela dos investidores antes da decisão da Justiça sobre o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da convenção do PMDB marcada para este sábado, 12, e das manifestações contra o governo Dilma, para domingo. O movimento de alta inclui ainda ajustes técnicos.

"É claro que o mercado acha que quanto mais fraco ficar o atual governo, melhor, porque Dilma tende a cair. Só que ontem mesmo muita gente criticou o Ministério Público de São Paulo, inclusive membros da oposição", disse um profissional. "O mercado acabou ficando mais cauteloso pela manhã e comprou um pouco de moeda." 

Ao longo do dia, porém, o dólar voltou a desacelerar. Além do fato de a moeda americana também estar em queda no exterior, em relação a várias divisas de países emergentes e exportadores de commodities, pesava o fato de o fim de semana estar próximo. A convenção do PMDB no sábado, que pode fazer o partido se afastar do Planalto, e as manifestações de domingo eram citadas como motivo para manter ou elevar posições vendidas em dólar - e não compradas.

Em função disso, o dólar renovou algumas mínimas no início da tarde e, novamente, mais perto do fim da jornada. No melhor momento, às 16h51, marcou R$ 3,5850 (-0,93%). Depois, encerrou nos R$ 3,5945.

Desde o início do mês, o mercado financeiro reage com mais força a fatores que podem enfraquecer o governo Dilma, como a prisão do marqueteiro João Santana e sua mulher e as notícias sobre a delação do senador Delcídio Amaral. A condução coercitiva do ex-presidente Lula e seu pedido prisão mexeram ainda mais com os ânimos dos investidores, pois a eventual saída da presidente é vista como uma das soluções para os impasses políticos no País, como o ajuste fiscal, por exemplo.

 

 

 

Bolsa. As mesmas expectativas se aplicam aos negócios na Bovespa. Nesta sexta-feira, o principal índice de ações do mercado brasileiro chegou a bater a marca dos 50 mil, patamar que não era atingido desde 6 de agosto do ano passado, um mês antes da perda do grau de investimento do País pela agência de classificação de risco Standard & Poor's, a primeira a retirar do Brasil o "selo de bom pagador".

O Ibovespa fechou em leve alta de 0,14% aos 49.638,68 pontos, depois de demonstrar bastante instabilidade nos dois turnos de negócios. A valorização de 16% acumulada nas últimas duas semanas foi considerada um impeditivo para um avanço acima desse patamar, visto como de resistência por analistas gráficos. Na semana, o índice marcou uma alta de 1,13%. Em 2016, os ganhos são de 14,51%.

A falta de uma direção clara e firme na Bovespa foi provocada pelo noticiário político com poucas novidades e a fraca agenda doméstica de indicadores econômicos. "O que vemos é o investidor ajustando posição à espera das manifestações de domingo e para a convenção do PMDB", afirmou Hersz Ferman, analista da Elite Corretora. 

A pressão de alta sobre o Ibovespa veio do exterior. Na avaliação de Ferman e do analista da Guide Investimentos, Luis Gustavo Pereira, a Bolsa doméstica acompanhou o mercado externo, onde as bolsas de Nova York e da Europa fecharam em alta, assim como os contratos futuros do petróleo em Nova York (Nymex) e em Londres (ICE). 

As companhias com as ações mais negociadas destacaram-se na valorização. Em boa parte da tarde, os papéis da Petrobrás, Vale e grandes bancos subiram. As ações ON (com direito a voto) da petroleira fecharam em alta de 2,85%. A ON do Banco do Brasil teve ganhos de 6,28%.

Já entre as maiores baixas, os destaques foram Oi ON (-10,17%), Estácio ON (-9,57%), Rumo ON (-6,56%), Lojas Americanas PN (-6,38%),  e Ecorodovias (-5,39%).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX