1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Crise na Ucrânia volta a derrubar bolsas da Europa

FRANCINE DE LORENZO, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES - Estadão Conteúdo

22 Agosto 2014 | 14h 25

As bolsas da Europa fecharam em queda nesta sexta-feira, 22, influenciadas pela piora no cenário geopolítico, enquanto os investidores aguardam o discurso do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, que participa nesta tarde do simpósio anual de política econômica em Jackson Hole, nos Estados Unidos. O pronunciamento da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, nesta manhã teve apenas efeito pontual sobre os mercados europeus, que chegaram a tomar algum fôlego, mas em seguida devolveram os ganhos.

Janet Yellen ponderou que, se o ritmo de progresso no mercado de trabalho continuar mais forte que o esperado, o Fed poderá antecipar a alta das taxas de juros, reforçando o quadro apresentado pela ata da última reunião de política monetária realizada pela autoridade monetária americana. Por outro lado, ela destacou que, se o avanço estagnar, os juros continuarão baixos.

Na Ucrânia, a crise foi alimentada pela informação de que parte do comboio russo de caminhões que estava parado há mais de uma semana na fronteira entre os dois países entrou hoje em território ucraniano sem permissão oficial. A notícia mexeu com o humor dos investidores principalmente na Alemanha, já que grande parte das empresas do país mantém negócios com a Rússia. O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, caiu 0,66%, para 9.339,17 pontos, puxado pelas ações da Adidas, que recuaram 2,49%.

Em Paris, o CAC-40 recuou 0,93%, para 4.252,80 pontos, influenciado pela desvalorização de 2,15% nas ações da Total, seguindo a retração no preço do petróleo no mercado internacional.

Em Londres, o setor de mineração pesou sobre os negócios e levou o FTSE-100 a leve baixa, de 0,04%, para 6.775,25 pontos. Com os dados decepcionantes da economia chinesa, os papéis da BHP Billiton (-1,37%), Rio Tinto (-1,18%) e Anglo American (-1,08%) se retraíram. O índice dos gerentes de compras (PMI) industrial da China, medido pelo HSBC, caiu para 50,3 em agosto, de 51,7 em julho, após quatro meses consecutivos de aceleração. Leituras acima de 50 indicam melhora na atividade do setor na comparação com o mês anterior.

Na Bolsa de Milão, o FTSE-MIB caiu 0,46% para, 19.917,98 pontos; em Madri o Ibex-35 baixou 0,53%, para 10.500,20; e em Lisboa o PSI-20 recuou 0,57%, para 5.693,65 pontos.

Na semana, entretanto, os mercados acionários europeus acumularam ganhos: O FTSE-100 subiu 1,29%; o CAC-40 ganhou 1,88%; o DAX avançou 2,71%; o Ibex-35 teve alta de 2,72%; o FTSE-MIB subiu 2,24%; o PSI-20 aumentou 3,08%.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo