Discurso do BC americano reduz perdas das bolsas

Os comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, no Congresso norte-americano agradaram aos mercados no exterior, retirando as bolsas das mínimas, assim como os juros dos títulos do Tesouro (Treasuries) do país. O dólar, no entanto, sofreu. Em Wall Street as bolsas abriram em forte queda, constrangidas pelo aumento do juro chinês, o qual provocou preocupações de potencial desaceleração global. Mas às 11h15 (de Brasília), passaram a subir para, em seguida, voltarem a cair. Às 11h42, Dow Jones caía 0,32%; Nasdaq recuava 0,08%; S&P tinha baixa de 0,38%. O juro do título do Tesouro norte-americano de 10 anos projetava queda a 5,0910% (-0,21%). O dólar caía para 114,10 ienes e o euro disparava a US$ 1,2526, invertendo apostas de que Bernanke apontaria para necessidade de mais aperto no juro norte-americano. Bernanke, ao contrário, previu desaquecimento gradual do mercado imobiliário e sugeriu que o Fed está realmente próximo do fim do ciclo de alta no juro. "Em algum ponto, no futuro, o Comitê poderá decidir não alterar o juro em uma ou mais reuniões, com a intenção de que haja mais tempo para o recebimento de informações relevantes sobre as perspectivas" econômicas, disse. Ele afirmou também que a perspectiva para a inflação é razoavelmente favorável, mas ainda carrega riscos. Por isso, as decisões futuras relacionadas à política monetária serão cada vez mais dependentes da evolução da perspectiva econômica, conforme o refletido nos indicadores econômicos. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

27 Abril 2006 | 11h45

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.