1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dólar tem correção de excessos e fecha abaixo dos R$ 4

- Atualizado: 05 Janeiro 2016 | 19h 14

Redução das incertezas no ambiente internacional fez a moeda americana cair 1,03%, depois de forte alta na véspera; movimento também beneficiou a Bolsa, que fechou em alta de 0,66%

Texto atualizado às 19h10

SÃO PAULO - O ambiente internacional menos tenso favoreceu a queda de 1,03% do dólar, que fechou cotado a R$ 3,9929 nesta terça-feira. Na véspera, o estresse com números negativos na China havia levado a moeda norte-americana a uma alta de 1,88%, com a cotação de volta ao patamar dos R$ 4. A queda de hoje foi atribuída principalmente à redução dos exageros da segunda-feira.

A desvalorização do dólar frente ao real aconteceu na contramão da tendência internacional, uma vez que a moeda americana subiu frente à maioria das moedas de países emergentes e exportadores de commodities. Esse comportamento é explicado, pelo menos em parte, pelo fato de o real ter tido uma das maiores perdas ontem, quando os mercados reagiram aos dados negativos da economia da China. A notícia da intervenção governamental na economia chinesa, por meio da injeção de aproximadamente US$ 20 bilhões na economia, melhorou os ânimos nos mercados e favoreceu uma recuperação do real ante o dólar no Brasil.

Moeda americana fechou abaixo da cotação de R$ 4

Moeda americana fechou abaixo da cotação de R$ 4

A divisa norte-americana chegou a esboçar uma alta nos minutos iniciais de negociação, quando atingiu a máxima de R$ 4,0564 (+0,55%), mas perdeu fôlego com o ingresso de exportadores no mercado e se manteve em baixa até o fechamento. Na mínima do dia, a cotação chegou a R$ 3,9906 (-1,09%). 

Numa sessão de agenda esvaziada no Brasil e no exterior, o giro de negócios foi limitado. No mercado futuro de câmbio, o dólar para liquidação em 1º de fevereiro era cotado a R$ 4,040 às 17h34, com baixa de 0,82%. 

Bolsa. A Bovespa recompôs um pouco das perdas da véspera, a despeito do recuo das bolsas chinesas e das norte-americanas na maior parte do dia. No começo da tarde, uma pressão vendedora em Nova York acabou influenciando a piora do Ibovespa, que foi para o vermelho, mas o movimento foi pontual e, embora tenha perdido fôlego à tarde, o principal índice doméstico fechou em alta. 

O Ibovespa subiu 0,66%, aos 42.419,32 pontos. Na mínima da sessão, marcou 42.137 pontos (-0,01%) e, na máxima, 42.534 pontos (+0,93%). No mês e no ano, acumula perda de 2,14%. O giro financeiro foi fraco e totalizou R$ 4,280 bilhões. 

À tarde, a Bolsa doméstica perdeu força de olho em Wall Street: quando os índices acionários lá foram para as mínimas, a Bovespa virou para o negativo, mas a compra de oportunidade por parte de alguns investidores acabou dando sustentação ao índice. 

Nessa lista entraram ações do setor financeiro, sobretudo as não bancárias, com destaque para Cielo (+4,78%), BM&FBovespa (+3,83%), Porto Seguro ON (+3,04%) e SulAmérica unit (+1,26%). Entre os bancos, Itaú Unibanco PN subiu 0,84%, BB ON, 0,35%, Bradesco PN, 0,37%, mas Santander Unit caiu, 1,50%. 

A injeção de quase US$ 20 bilhões pelo Banco Central chinês estimulou as mineradoras na Europa, mas não fez o mesmo com o Brasil, onde Vale ON caiu 1,34% e Vale PNA, 1%, em dia de baixa do preço do minério de ferro. No setor siderúrgico, as perdas foram incentivadas pelo rebaixamento da Gerdau pelo Itaú BBA e pela notícia de que o governo é contra aumentar o imposto de importação para o setor. 

Gerdau PN caiu 4,63%, Metalúrgica Gerdau PN, 8,13%, Usiminas PNA, 8,22%, e CSN ON, 4,92%. 

Petrobrás, que ontem contrariou o mercado e foi um dos poucos papéis a subir, hoje caiu: a ação ON caiu 2,54% e a PN, 2,77%.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX