1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Dólar encerra em alta de 0,89%

FABRÍCIO DE CASTRO - Agência Estado

17 Junho 2014 | 13h 21

O dólar fechou em alta ante o real nesta terça-feira, 17, acompanhando uma valorização generalizada da moeda norte-americana, após dados de inflação acima do esperado alimentarem especulações de que o Federal Reserve pode ser obrigado a subir os juros antes do esperado. Além disso, os temores geopolíticos com Iraque e Ucrânia continuam favorecendo a busca por segurança, o que beneficia o dólar, considerado um "porto seguro".

O dólar à vista no balcão terminou cotado a R$ 2,2560, uma alta de 0,89%. A sessão foi encurtada em função do jogo entre Brasil e México pela Copa do Mundo de futebol, às 16 horas. O giro estava em US$ 663,95 milhões por volta das 13h10, segundo dados da clearing de câmbio da BM&FBovespa. No mercado futuro, o dólar para julho subia 0,96%, a R$ 2,2655. O volume de negócios era de quase US$ 10,69 bilhões.

"O dólar até que teve uma alta relevante no Brasil, justamente porque, com a escassez de liquidez, há distorção com qualquer compra", avaliou Fernando Bergallo, gerente de câmbio da TOV Corretora. "O dólar acompanha hoje o exterior, com um mercado bem vazio. Por isso, os investidores comprados (que apostam na alta do dólar) conseguem puxar as cotações, já que também não há a contrapartida (de entrada de recursos nos País) por parte do exportador", acrescentou profissional da mesa de câmbio de um banco.

Os números divulgados nos EUA contribuíram para o movimento. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 2,1% em maio, na comparação anual, e 0,4% em maio ante abril. Na prática, uma inflação maior nos EUA pode estimular o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) a subir seus juros antes do esperado, o que tiraria liquidez de países como o Brasil. Além disso, as construções de moradias iniciadas caíram 6,5% em maio ante abril nos EUA, pior que a previsão de recuo de 3,7%. AS permissões para novas obras recuaram 6,4%, ante projeção de -1,9%.

No exterior, predominava o viés de alta para a moeda americana. Perto das 13h10, o dólar subia 0,69% ante o dólar australiano, avançava 0,07% ante o canadense, tinha alta de 0,30% ante o neozelandês, avançava 0,79% ante o rand sul-africano, tinha ganho de 0,25% ante a rupia indiana e subia 0,24% ante a lira turca. O índice ICE Dollar, que considera uma cesta de seis principais rivais, subia 0,17%.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo