1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dólar sobe e fecha perto de R$ 3,68 com foco no cenário político

- Atualizado: 23 Março 2016 | 18h 11

Já a Bolsa recuou 2,59%; investidores acompanharam a situação do ex-presidente Lula e lista da Odebrecht com relação de políticos associados ao pagamento de propina

Além do cenário político, leilão de swap cambial reverso do Banco Central também impulsinou a alta

Além do cenário político, leilão de swap cambial reverso do Banco Central também impulsinou a alta

A aversão ao risco, alimentada pelo noticiário político, segue afetando o mercado financeiro no Brasil. O Ibovespa - principal índice da Bolsa - fechou em queda de 2,59%, aos 49.690 pontos, enquanto o dólar encerrou em alta de 2,35%, cotado a R$ 3,6794. Os investidores acompanharam a situação do ex-presidente Lula e as informações relativas à Odebrecht, dentro da Operação Lava Jato.

A Lava Jato encontrou na residência do presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa Silva Junior, no Rio de Janeiro, a maior relação de políticos e partidos associada a pagamentos de uma empreiteira até agora. As buscas fazem parte da 23ª fase da Lava Jato, a Acarajé, que teve como alvo o casal de marqueteiros João Santana e Monica Moura que atuaram nas campanhas de Lula (2006) e Dilma Rousseff (2010 e 2014). Contudo, o juiz federal Sérgio Moro decretou sigilo sobre a superplanilha da Odebrecht.

No âmbito político, também pesa a decisão do ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), de que o juiz Sérgio Moro deve enviar à Corte os processos que envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No âmbito externo, a pressão veio das declarações dadas pelos presidentes do Fed de Chicago, Charles Evans, e da Filadélfia, Patrick Harker, as quais sugerem que o Federal Reserve, o banco central norte-americano, poderia aumentar a taxa de juros nos Estados Unidos. (André Magnabosco e Denise Abarca)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX