Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia » Efeito Lava Jato faz dólar cair a R$ 3,76, na menor cotação do ano

Economia & Negócios

Márcio Fernandes/Estadão

Economia

Dólar

Efeito Lava Jato faz dólar cair a R$ 3,76, na menor cotação do ano

Nova etapa da operação gerou euforia nos mercados e fez moeda recuar 1,12%; Bolsa disparou e teve alta de mais de 4%

0

Denise Abarca, Fabrício de Castro, Karla Spotorno,
O Estado de S. Paulo

04 Março 2016 | 09h53
Atualizado 04 Março 2016 | 22h04

SÃO PAULO - O mercado doméstico foi embalado nesta sexta-feira, 4, pelo crescimento das chances de a presidente Dilma Rousseff não terminar seu mandato, após a condução coercitiva do ex-presidente Lula. O movimento foi reforçado pela melhora do cenário externo, onde o destaque são os ganhos entre 3% e 4% dos preços do petróleo.

Reflexo da Operação Lava Jato, o dólar comercial fechou em queda de 1,12%, cotado a R$ 3,76, no menor patamar desde 9 de dezembro do ano passado. Somente nos quatro primeiros dias do mês, a moeda recuou mais de 5%, uma queda de quase R$ 0,20. Negociada a R$ 3,94 no primeiro dia de março, a cotação passou para os atuais R$ 3,76, fortemente influenciada pelos desdobramentos das investigações. Nas casas de câmbio, a moeda à vista era negociada na casa dos R$ 3,90, e o cartão pré-pago era carregado com o dólar a R$ 4,10 (com IOF e taxas inclusos).

 A Bovespa encerrou o dia em alta de 4,01% aos 49.084,87 pontos em uma semana cheia de recordes e cinco fechamentos positivos. Em pontos, o principal índice de ações da Bolsa alcançou o maior nível desde 9 de outubro do ano passado. Na máxima do dia, o Ibovespa superou os 50 mil pontos em alta de 6%. 

Com o resultado, o Ibovespa galgou 7.492 pontos entre a última sexta-feira e hoje. Em termos porcentuais, a valorização foi de 18,01%. Uma boa parte dessa alta foi provocada por um ímpeto comprador dos estrangeiros, segundo os dados oficiais e estimativas de operadores. As maiores altas foram registradas pelas siderúrgicas, na esteira da queda do dólar - que impacta os resultados dessas empresas -, e pelas empresas públicas. Segundo analistas, a possibilidade de um impeachment da presidente Dilma beneficia os papéis do Banco do Brasil (que fecharam em alta de 9,87%, a R$ 18,25) e da Petrobrás (ações ON subiram 9,55%, a R$ 9,98; PN avançaram 9,29%, a R$ 7,22). As ações da Vale tiveram ganhos de 5,95% (ON, a R$ 16,55) e de 6,93% (PNA, a R$ 11,72).

Desde a segunda-feira, a Bolsa subiu 18,1%, influenciada também pela prisão do marqueteiro João Santana na semana anterior. Foi a maior alta semanal desde o fim de outubro de 2008. Além disso, a semana teve recordes de giro financeiro. Assim como na véspera, o giro foi mais do que o dobro da média diária dos últimos meses. O volume chegou a R$ 16,979 bilhões, o maior desde 27 de outubro de 2014 (R$ 17,807 bilhões), quando se observa somente os pregões sem vencimento de opções sobre ações ou sobre índices. Habitualmente, os dias em que há vencimentos das opções têm um giro muito mais alto que a média diária. Vale lembrar que a segunda-feira, dia 27 de outubro, foi o primeiro dia de negócios depois da reeleição de Dilma Rousseff. 

Lava Jato. O ex-presidente Lula falou no começo da tarde sobre a ação da Polícia Federal (PF), que chamou de "espetáculo midiático". "Se o juiz (Sérgio) Moro quisesse me ouvir, bastaria mandar um ofício que eu iria como sempre fui", afirmou Lula, acrescentando que não deve e não teme.

Ao cumprir os mandados de busca e apreensão na sede do Instituto Lula, em São Paulo, a Polícia Federal e a Receita Federal encontraram indícios de que o local pode ter sido esvaziado. Gavetas e armários estavam praticamente vazios e não foram localizados, por exemplo, agendas, documentos impressos ou mesmo papéis com anotações, que geralmente fazem parte do dia a dia de uma empresa.

Enquanto isso, a oposição também se movimenta. Governadores vão se reunir logo mais, às 18 horas, na liderança do PSDB no Senado para definir estratégias para acelerar o afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Para o senador tucano Aloysio Nunes (PSDB-SP), a condução coercitiva de Lula é o passo definitivo para o fim do governo do PT. "O governo Dilma acabou com a delação do senador Delcídio. O mito que Lula construiu em torno de seu nome acaba de desmoronar na manhã de hoje", afirmou em nota divulgada à imprensa.

No exterior, analistas acreditam que, após a divulgação do forte número de criação de vagas em fevereiro, mesmo com a queda no salário médio e no número de horas trabalhadas, as chances de uma elevação de juros nos EUA em junho aumentaram. Em fevereiro, a economia norte-americana criou 242 mil empregos, acima da previsão de +200 mil. 

Mais conteúdo sobre:

Comentários