1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Donos do Burger King fazem acordo de inversão fiscal

Estadão Conteúdo

25 Agosto 2014 | 13h 42

O acordo que está sendo negociado entre a Burger King Worldwide, controlada pela empresa de private equity brasileira 3G Capital Management, e a Tim Hortons deve ser estruturado como uma inversão fiscal e a sede da empresa resultante deve ficar no Canadá. Esse tipo de operação, em que uma empresa leva a sede para outro país por razões fiscais, foi duramente criticado pelo presidente dos EUA, Barack Obama, no mês passado.

As duas empresas anunciaram na noite de domingo que pretendem criar uma nova companhia, que seria a terceira maior rede de restaurantes de serviços rápidos do mundo. Segundo uma fonte, o acordo pode ser fechado em breve, mas detalhes adicionais sobre esse prazo ainda são desconhecidos. A cafeteria canadense Tim Hortons tem valor de mercado de cerca de US$ 8,4 bilhões, enquanto a Burger King, que nasceu nos EUA, vale cerca de US$ 9,6 bilhões.

Os chamados acordos de inversão fiscal têm se multiplicado recentemente e estão enfrentando forte oposição do governo norte-americano, já que ameaçam as receitas federais. Ao se transferir para uma jurisdição com impostos mais baixos, as empresas conseguem poupar recursos com ganhos no exterior e, em alguns casos, reduzem a taxa corporativa geral.

Embora os acordos de inversão fiscal anunciados recentemente tenham envolvido empresas europeias, o Canadá também é foco de alguns deles, tendo em vista a proximidade e a similaridade do país com os EUA. A taxa de imposto corporativo federal canadense foi reduzida para 15% em 2012.

Após uma onda de acordos de inversão fiscal - como a compra da irlandesa Shire pela norte-americana AbbVie - a Casa Branca ordenou que o Congresso tomasse medidas para evitar que as empresas busquem esse tipo de transação. Recentemente o Departamento do Tesouro dos EUA afirmou que está reunindo uma lista de opções para impedir ou evitar acordos como esses para que o secretário do Tesouro, Jacob Lew, avalie.

No fim de julho, o presidente dos EUA, Barack Obama, criticou esse tipo de operação e afirmou que elas prejudicam as finanças e a economia do país. "Minha postura é que não importa se isso é legal. Isso é errado", disse Obama durante um evento. O presidente afirmou que republicanos e democratas deveriam trabalhar juntos para mudar a regra que permite que empresas "declarem que são sediadas em outro lugar, mesmo que a maior parte de suas operações esteja ali" nos EUA.

Histórico

O Burger King foi fundado em 1954 com apenas um restaurante em Miami, onde atualmente tem sede. A rede de hamburguerias cresceu e se tornou a segunda maior do mundo. A Tim Hortons, por sua vez, com sede em Oakville, Ontário, é conhecida por seus cafés, uma linha de negócios de alta margem na qual as gigantes de fast-food norte-americanas brigam para conseguir participação de mercado.

Em 2010 a 3G Capital Management comprou o Burger King e fechou a empresa. Alguns anos depois, porém, o fundo de private equity estruturou um acordo complexo com um veículo de investimento codirigido pelo investidor William Ackman e tornou a empresa pública novamente, embora tenha mantido uma fatia controladora.

A 3G, que tem escritórios no Rio de Janeiro e em Nova York, se tornou um grande player no setor alimentício dos EUA, com foco em marcas icônicas. Um dos fundadores da 3G, Jorge Paulo Lemann, era um grande acionista da cervejaria InBev e ajudou a estruturar em 2008 a aquisição da Anheuser-Busch. No ano passado o fundo brasileiro se uniu ao investidor Warren Buffett para comprar a fabricante de catchup H.J. Heinz por US$ 23 bilhões.

Uma razão para o acordo entre o Burger King e a Tim Hortons é usar a expertise da rede de hamburguerias no desenvolvimento global para impulsionar o crescimento internacional da cafeteria canadense. As empresas afirmaram que pretendem operar as duas redes como marcas independentes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo