1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petróleo se recupera após atingir menor nível em 12 anos

- Atualizado: 13 Janeiro 2016 | 12h 47

Investidores aproveitavam o baixo valor da commodity para comprar; dados melhores que o esperado na China também contribuem para o bom humor

Dados favoráveis sobre a demanda de petróleo da China estimulam a recuperação da commodity
Dados favoráveis sobre a demanda de petróleo da China estimulam a recuperação da commodity

LONDRES - Os preços do petróleo se recuperam nesta quarta-feira, 13, com os investidores aproveitando o baixo valor da commodity depois de o preço em Nova York atingir o menor nível desde 2003 na sessão anterior, abaixo do patamar de US$ 30. Além disso, dados melhores que o esperado na China contribuem para o bom humor.

Dados favoráveis sobre a demanda de petróleo da China estimulam a recuperação da commodity, de acordo com analistas. Novas preocupações sobre a economia da China no início do ano alimentaram temores sobre demanda no segundo maior consumidor de petróleo do mundo.

A Administração Geral de Alfândega divulgou hoje que as importações chinesas diminuíram 7,6% em dezembro ante um ano antes, depois de caírem 8,7% em novembro, superando a expectativa dos analistas, que era de queda de 11%. No ano passado, as importações chinesas recuaram 14,1%, após subirem 0,4% em 2014.

Além disso, as compras chinesas de petróleo bruto registraram avanço anual de 9,3% em dezembro, a 33,19 milhões de toneladas.

Às 10h40 (de Brasília), o petróleo para fevereiro negociado na Nymex subia 2,14%, para US$ 31,09 por barril, enquanto o Brent para o mesmo mês avançava na ICE, com alta de 2,07%, para US$ 31,50 por barril. Ontem, o petróleo na Nymex chegou a ser negociado abaixo de US$ 30 em meio a um cenário de excesso de oferta, preocupações com a economia chinesa e dólar alto.

Após o fechamento de ontem, o American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) informou que os estoques de petróleo bruto dos EUA diminuíram em 3,9 milhões de barris na semana passada, o que ajuda na recuperação.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX