1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Queda do dólar provoca corrida às casas de câmbio

- Atualizado: 04 Março 2016 | 22h 01

Interesse considerado atípico pelas empresas do segmento deve se repetir na próxima segunda; procura cresceu três vezes ao fim desta semana

Após mais um dia de queda na cotação do dólar, as casas de câmbio comemoraram o que consideram uma "movimentação atípica" no segmento. Algumas empresas afirmam que a procura por pessoas físicas cresceu até três vezes no final da semana. O movimento, segundo as empresas, não era visto há pelo menos um ano.

Nas casas de câmbio de São Paulo, a moeda norte-americana começou o dia de ontem com cotação mínima de R$ 3,93 e fechou com mínima de R$3,89 em dinheiro vivo. No cartão pré-pago, já considerando o IOF, os valores foram de R$ 4,13 na abertura para R$4,10 no fechamento. Os dados constam de um levantamento feito para o Estado pelo Melhor Câmbio, site que faz intermediação entre compradores de moeda e 208 casas de câmbio.

Dólar turismo era negociado na casa dos R$ 3,90 nesta sexta-feira
Dólar turismo era negociado na casa dos R$ 3,90 nesta sexta-feira
O valor sempre é maior para turistas do que o divulgado no câmbio comercial. “Em um dia normal, a gente faz de 15 a 20 mil cotações por dia para nossos clientes. Hoje (ontem) batemos 45 mil cotações”, analisou o CEO da Melhor Câmbio, Stéfano Assis.

Na Treviso Câmbio Exchange, com 10 lojas na Grande São Paulo, o gerente de câmbio Reginaldo Galhardo disse que o movimento tanto nas operações comerciais (para empresas) quanto no varejo (para turistas) cresceu 50% ontem. “Foi uma procura, digamos, ‘extrapoladamente’ atípica”, afirmou o executivo da Treviso. “O cliente estava com mais vontade. A gente vinha vendendo R$ 1 mil, R$ 1,5 mil por operação de turismo. Mas desde quinta-feira negociamos alguns lotes de R$ 10 mil, R$ 15 mil. Isso é difícil.”

No Banco Daycoval, com 12 lojas em São Paulo, a movimentação e o resultado de ontem foram considerados com um dos principais desde que a instituição passou a comercializar dólar no varejo há sete anos. “Se não foi o principal, foi um dos principais dias de nossa história”, comemora o gestor da rede de lojas Daycoval Câmbio, Maurício Lima. Ele conta que o resultado, se comparado ao dia 4 de fevereiro, portanto um mês atrás, foi três vezes superior. “Se consideramos as reservas para segunda-feira, tivemos 3,5 mil transações de dólar turismo”. Afirma. “Nosso tíquete médio, no entanto, continua parecido com o histórico, cerca de R$ 2 mil.”

Para semana que vem, apesar de ressaltarem a imprevisibilidade do câmbio, os executivos esperam, ao menos da segunda-feira, mais um dia de forte procura. “Segunda deve ser animada. Já na terça, não dá para saber”, diz o gestor do Daycoval Câmbio Eduardo Campos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX