1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

ABEAR: tráfego doméstico recua 4,01% em janeiro de 2016

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 11h 56

Há seis meses consecutivos o setor registra queda na demanda e nem mesmo os meses de alta temporada registraram expansão

De acordo com a Associação que representa o setor, o tráfego doméstico recuou 4,01% em janeiro deste ano. 

De acordo com a Associação que representa o setor, o tráfego doméstico recuou 4,01% em janeiro deste ano. 

SÃO PAULO - A demanda doméstica por viagens aéreas recuou 4,01% em janeiro, na comparação com o mesmo mês de 2015, segundo levantamento divulgado há pouco pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), que reúne os dados das principais companhias aéreas brasileiras (TAM, Gol, Azul e Avianca).

Há seis meses consecutivos o setor registra queda na demanda doméstica - com baixas que variaram de 0,6% (agosto) a 7,9% (novembro), em relação ao mesmo intervalo do ano anterior. Nem mesmo os meses de alta temporada, como dezembro (-4,92%) ou janeiro, registraram expansão.

A oferta, por sua vez, apresentou retração de 2,38% no mês passado em relação a janeiro de 2015. Com isso, a taxa de ocupação doméstica teve queda de 1,41 ponto porcentual (p.p.) no primeiro mês deste ano, para 83,18%.

No total, as empresas aéreas brasileiras embarcaram em janeiro 9,04 milhões de passageiros no mercado doméstico, o que corresponde a uma queda de 1,95% ante o mesmo mês de 2015.

"Janeiro foi um mês de continuidade de um cenário que progressivamente se agrava", disse o consultor da Abear Maurício Emboaba. Questionado se diante do agravamento da situação, o setor havia revisado suas projeções para 2016, o presidente da entidade, Eduardo Sanovicz, reiterou a estimativa de redução de oferta da ordem de 7%, mesmo porcentual de queda estimado para a demanda doméstica. "Seguimos esperando reduções desta ordem. É cedo para dizer se vai ser ainda pior, o cenário já é muito ruim", disse, durante teleconferência com jornalistas.

Em termos de participação de mercado, medida pela demanda por RPK (passageiro-quilômetro transportado), a Gol ficou na liderança no mercado doméstico em janeiro, com 38,62%, superando a TAM, com 34,36%. Em seguida vem a Azul, com 17,28%, e a Avianca, com 9,74%.

Internacional. No mercado internacional, a demanda cresceu 7,23% em janeiro frente ao mesmo mês de 2015. Já a oferta teve expansão de 6,12%, levando a taxa de ocupação a subir 0,89 ponto porcentual, para 85,25%.

No segmento internacional, a TAM ficou com 73,92% do mercado em janeiro, enquanto a Gol ficou com 13,13%. A Azul chegou a 12,87%, enquanto a Avianca teve participação inferior a 1%. No segmento, as empresas brasileiras embarcaram juntas 754,7 mil passageiros no mês passado, alta de 10,64%.

Emboaba comentou que o crescimento registrado no mercado internacional se deve basicamente ao início da operação da Azul para os EUA, no ano passado, e lembrou que os números revelam apenas o comportamento da parcela brasileira da demanda internacional, não computando oferta e demanda das companhias internacionais. 

Petróleo. Um dos principais insumos do setor, o querosene de aviação (QAV) tem o preço atrelado à cotação internacional do petróleo, que, em queda, tem favorecido grande parte das companhias internacionais. No entanto, as companhias aéreas brasileiras não devem se beneficiar, segundo o presidente da Abear.

"Câmbio e impostos comeram toda queda do petróleo no mercado internacional", disse Eduardo Sanovicz . Ele citou dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) segundo os quais entre a primeira semana de janeiro e a última semana de dezembro de 2015, o QAV subiu 1,1%, mesmo em um momento de queda do petróleo. Além do câmbio, Sanovicz citou a carga tributária e a formulação usada pela Petrobrás para precificar o QAV.

A alta deste e de outros custos também cotados em dólar, em meio à queda da demanda por passagens aéreas, levou as empresas a registrarem fortes prejuízos ao longo do ano. No acumulado de janeiro a setembro de 2015, as companhias aéreas brasileiras associadas à Abear registraram perdas de cerca de R$ 3,7 bilhões. Juntas, essas empresas respondem por 99% do mercado.

O presidente da Abear voltou a dizer que a intenção das empresas é recuperar neste ano pelo menos parte da queda dos preços das passagens verificada em 2015, na comparação com 2014. "Os preços médios caíram 19% sobre 2014, então pretendemos recuperar pelo menos parte disso, mas é movimento individual de cada empresa", disse.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX