Ações da Volkswagen desabam 17% com escândalo sobre emissão de poluentes

Ações da Volkswagen desabam 17% com escândalo sobre emissão de poluentes

Valor de mercado da montadora caiu US$ 15 bi em um único dia diante de acusação de fraude em teste de emissões

O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2015 | 16h01

As ações da Volkswagen despencaram 17,1% na Bolsa de Frankfurt nesta segunda-feira, 21, diante de acusações de autoridades norte-americanas de que a montadora teria falsificado informações sobre emissões de poluentes. Com o tombo nas ações, a montadora perdeu o equivalente a US$ 15 bilhões em valor de mercado em um único dia.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos disse na sexta-feira que a maior montadora europeia usou um software para carros a diesel da VW e da marca Audi que enganou reguladores na medida de emissões tóxicas, podendo enfrentar até US$ 18 bilhões em penalidades.

Uma reunião do Conselho supervisor na sexta-feira deve discutir uma nova estrutura para a empresa e um alinhamento da administração.

Alguns analistas disseram que o presidente-executivo, Martin Winterkorn, deveria deixar o cargo. O executivo disse no domingo "lamentar profundamente" a quebra de regras norte-americanas e ordenou uma investigação externa.

"O desastre está além de todas as expectativas", disse Ferdinand Dudenhoeffer, diretor do Centro de Pesquisa Automotiva da Universidade de Duisburg-Essen.

Winterkorn, que recentemente enfrentou um desafio à sua autoridade com a saída do presidente do Conselho de Administração Ferdinand Piech, dirigiu a marca VW entre 2007 e 2015, incluindo o período de seis anos quando se descobriu que alguns de seus modelos violaram regras norte-americanas de limpeza do ar. 

Depois das acusações, o governo da Alemanha informou que vai investigar os testes de emissão de poluentes da montadora na Europa. Já a Comissão Europeia afirmou que está em contato com a montadora, a Agência de Proteção Ambiental e o Conselho de Recursos Aéreos da Califórnia para ter acesso a mais informações sobre as alegações.

A comissão disse que já vem trabalhando para detectar discrepâncias substanciais entre as emissões de poluentes mostradas nos testes e a emissão real dos veículos. Novos procedimentos vão entrar em vigor em janeiro e levarão em conta não só os testes laboratoriais, mas também as emissões nas estradas, afirmou a porta-voz da comissão, Lucia Caudet.

 (Com informações da Dow Jones e Reuters)

Mais conteúdo sobre:
volkswagen ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.