1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Alvo da Lava Jato, Mendes Júnior entra com pedido de recuperação judicial

- Atualizado: 08 Março 2016 | 21h 17

Empresa estava em crise desde que o então vice-presidente Sérgio Cunha Mendes foi preso em 2014 pela Polícia Federal

Sérgio Cunha Mendes (à esq.) foi condenado a mais de 19 anos de prisão

Sérgio Cunha Mendes (à esq.) foi condenado a mais de 19 anos de prisão

SÃO PAULO/BELO HORIZONTE - A empreiteira Mendes Júnior Trading e Engenharia, alvo da Operação Lava Jato, entrou na segunda-feira com pedido de recuperação judicial na Justiça de Minas Gerais. Desde 2014, quando o então vice-presidente, Sérgio Cunha Mendes, foi preso pela Polícia Federal, a empresa enfrenta uma grave crise financeira. O caixa, debilitado pela falta de novas obras e crédito escasso, ficou mais enfraquecido com inadimplência do poder público, segundo o pedido de recuperação.

A empresa teria cerca de R$ 500 milhões a receber da União e do Estado de Minas Gerais por obras em andamento – ou concluídas –, entre elas a Transposição do Rio São Francisco. O advogado da Mendes Júnior, José Murilo Procópio de Carvalho, afirma que esse montante é o dobro da dívida da empreiteira, de R$ 250 milhões. Desse total, R$ 160 milhões são débitos fiscais. O restante é relativo a financiamentos bancários.

Apesar das dificuldades, a companhia resistiu durante mais de um ano ao processo judicial. Com o crescente aumento dos pedidos de falência por parte dos fornecedores, no entanto, a construtora aderiu ao movimento iniciado em 2015 por Alumini, Galvão, Schahin e OAS. “Embora tenha buscado incessantemente reverter a situação, a Mendes Júnior viu na recuperação judicial a opção adequada para reequilibrar sua situação econômica e financeira de modo a preservar os interesses dos credores, clientes, fornecedores, colaboradores e demais parceiros”, argumentou a empresa por meio de nota.

A construtora terá 180 dias para apresentar um plano de pagamento dos credores. Nesse período, todos os compromissos da companhia, que tem 3 mil funcionários, ficam suspensos, o que deve dar fôlego para a empresa se recuperar, afirma o advogado. Embora não seja o objetivo, ele diz que a recuperação pode até preparar a empresa para uma futura venda.

Hoje um dos principais projetos tocados pela construtora é o lote 1 do Rodoanel Norte, do governo do Estado de São Paulo. O empreendimento, com 50% das obras concluídas, não deve ser afetado pelo processo judicial. Isso porque a Sociedade de Propósito Específico (SPE), responsável pela construção, não entrou na recuperação, afirma Carvalho. O governo paulista, no entanto, está de olho. A sócia da Mendes Júnior nessa SPE é a espanhola Isolux, que está em recuperação extrajudicial.

Duro golpe. O envolvimento da Mendes Júnior na Operação Lava Jato e a prisão de seu principal executivo foi um duro golpe para a construtora, que começava a superar os efeitos de outra crise. Depois de participar da construção de hidrelétricas como Furnas e Itaipu e da ponte Rio-Niterói, além de ter forte participação no exterior, a empreiteira praticamente quebrou na década de 80. Em 1998, pelas mãos do fundador da companhia, Murilo Mendes Júnior, a construtora voltou a disputar obras com o nome Mendes Júnior Trading e Engenharia. A unidade ficou com os atestados técnicos (exigidos para obras) da construtora, que tinha pendências na Justiça e não podia disputar licitações. 

Em 2013, já era a 13ª maior empreiteira do País, com faturamento de R$ 1,7 bilhão. Nessa época, conta uma fonte do setor, a empresa começou a montar uma nova unidade para disputar concessões. Contratou advogados e especialistas para compor a estrutura. Mas a Lava Jato desfez os planos. Em novembro, seu vice-presidente foi condenado a 19 anos de prisão e a construtora a pagar multa de R$ 31,5 milhões. A justificativa para a punição foi o pagamento de propina, em valor equivalente, à diretoria da Petrobrás. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX