1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após o Glória, Eike devolve edifício ao Flamengo

- Atualizado: 22 Janeiro 2016 | 21h 20

Crise nas empresas X barrou projeto de transformar o prédio de 150 apartamentos em um hotel com 450 quartos

RIO - Em mais um capítulo do desmonte do império X, o empresário Eike Batista entregou na tarde desta sexta-feira, 22, ao Flamengo as chaves do Edifício Hilton Santos, no Morro da Viúva, uma área nobre da zona sul carioca. Com a crise financeira do grupo EBX, o projeto de transformar o prédio de 150 apartamentos em um hotel com 450 quartos não decolou. 

O Conselho Deliberativo do clube aprovou o acordo na terça-feira e pretende abrir uma nova licitação pelo imóvel nos próximos meses. O acerto ocorre na mesma semana em que Eike selou a transferência de ações de suas empresas e do Hotel Glória, que pretendia revitalizar, ao fundo soberano de Abu Dhabi Mubadala.

Eike Batista está se desfazendo dos negócios
Eike Batista está se desfazendo dos negócios
O prédio do Morro da Viúva foi assumido pela Rex, braço imobiliário da EBX, em março de 2012. O grupo desembolsou R$ 19 milhões em luvas ao clube por uma concessão de 25 anos, renovável pelo mesmo período. O valor não será devolvido. O grupo X também arcou com todas as despesas de desocupação do edifício. O investimento estimado para transformar o prédio em um hotel de luxo era de R$ 200 milhões, o que se tornou inviável após a derrocada das empresas de Eike Batista. 

O diretor jurídico do Flamengo, Bernardo Accioly, disse que a permissão para transformar o imóvel em um hotel fazia parte do Pacote Olímpico e já expirou. Isso significa que, se os novos concessionários optarem por um projeto hoteleiro, terão que obter autorização da prefeitura. Segundo o advogado, há pelo menos cinco grupos interessados em avaliar o edifício, entre construtoras e redes de hotéis. 

A decisão por um acordo se deu após muitos contatos entre o clube e o empresário. Pelo contrato, a partir deste ano Eike teria de pagar R$ 300 mil mensais em aluguéis ao Flamengo, além de gastos de cerca de R$ 100 mil ao mês com IPTU, luz e pagamento de seguranças. Diante disso, deixar o projeto passou a ser mais vantajoso para o fundador do grupo X. Já o Flamengo considerava mais fácil atrair novos investidores descolando o projeto da figura do empresário.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX