1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após ter baixa contábil de R$ 49 bi em balanço, Petrobrás diz que 2015 foi ano 'atípico'

- Atualizado: 22 Março 2016 | 11h 36

Baixas contábeis surpreenderam negativamente o mercado; campo que teve o maior impairment deve ter resultado positivo no futuro, segundo a companhia

Após registrar baixas contábeis (impairment) de R$ 49 bilhões em 2015, número que foi considerado elevado por analistas, a Petrobrás disse que considera 2015 um ano atípico de baixas devido ao impacto das cotações. Em teleconferência realizada na manhã desta terça-feira, 22, a Petrobrás detalhou os campos em que houve impairment. Em 2015, a companhia teve prejuízo recorde, de R$ 34,8 bilhões.

Segundo a empresa, a principal baixa foi no campo de Papa-Terra na Bacia de Campos (R$ 8,7 bilhões), seguido de Polo Centro-Sul (R$ 4,6 bilhões), Pólo Uruguá (R$ 3,8 bilhões), Espadarte (R$ 2,3 bilhões), Linguado (R$ 1,9 bilhão), Polo CVIT (R$ 1,5 bilhão), Piranema (R$ 1,3 bilhão), Lapa (R$ 1,2 bilhão), Bicudo (R$ 900 milhões), Frade (R$ 800 milhões), Badejo (R$ 700 milhões) e outros (R$ 5,8 bilhões).

De acordo com a diretora de Exploração e Produção da Petrobrás, Solange Guedes, os ativos do segmento foram avaliados com base nas cotações internacionais de longo prazo. "O exercício de teste de provisionamento ou recuperação de impairment é feito todos os anos. Esse é um ano atípico de impairment por causa da magnitude do impacto dos preços", informou Solange. "Os preços foram testados em todos os ativos da companhia sob uma perspectiva de preço a longo prazo, e não só a queda no preço realizada no último ano. Os ativos de E&P falam com prazos de 30 anos", sinalizou.

Ao todo, houve baixa contábil em 87 campos no Brasil, além de dois no exterior. Nos Estados Unidos, a baixa foi de R$ 1,8 bilhão e na Bolívia, R$ 600 milhões.

Solange Guedes afirmou que o campo de Papa-Terra teve o projeto revisto e deve apresentar resultados positivos no futuro. O campo foi o que apresentou maior baixa contábil no resultado financeiro de 2015. "Existe expectativa de alcançar cenário mais otimista do que o planejado", disse Solange.

Petrobrás sentiu em 2015 a concorrência da importação de gasolina e óleo diesel

Petrobrás sentiu em 2015 a concorrência da importação de gasolina e óleo diesel

Gasolina. A Petrobrás já sente a concorrência da importação de gasolina e óleo diesel. Em 2015, as vendas dos dois derivados de petróleo caíram, em parte, por conta da queda da participação de mercado, informou o gerente-executivo de Relações com Investidores, Lucas Tavares de Mello. No total, a queda foi de 9%.

O total comercializado de gasolina passou de 620 mil barris por dia para 553 mil barris por dia. Já a venda do óleo diesel passou de 1 milhão de barris por dia para 923 mil barris por dia. Além da perda de market share, a Petrobrás destaca que, no caso da gasolina, o resultado piorou também por causa do aumento da adição do álcool anidro. A proporção de adição de álcool passou de 25% para 27%. No caso do diesel, houve queda de demanda por parte do segmento de obras de infraestrutura. E também aumentou a adição de biodiesel ao combustível. A venda de naftas foi afetada pela queda do consumo pela Braskem.

Nesta segunda-feira, o presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, afirmou que, se a concorrência com importados ameaçar os negócios, a empresa vai avaliar a possibilidade de reduzir os seus preços internos.

Reforço de caixa. A Petrobrás informou que pretende finalizar o ano de 2016 com um saldo de caixa de US$ 21 bilhões. Para tanto, a companhia prevê uma nova captação no montante de US$ 1 bilhão. De acordo com a apresentação, a estatal iniciou o exercício deste ano com caixa de US$ 26 bilhões. "Na perspectiva para 2016, não há previsão de pagamento de dividendos", ressaltou Ivan Monteiro, durante a apresentação.

A companhia também informou uma queda de 2% nas despesas gerenciais em 2015, que totalizou R$ 11 bilhões. A queda foi derivada, sobretudo, da redução de gastos com consultorias e serviços de processamento de dados.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX